Chuva escassa deve reduzir a colheita de cereais na Europa

Agronegócio

Chuva escassa deve reduzir a colheita de cereais na Europa

Continente corre o risco de colher menos de 285 milhões de toneladas
Por:
1179 acessos
Paris - A Europa está revendo suas previsões para a safra 2011/12 devido ao clima seco, que põe em risco o desempenho das lavouras. As expectativas iniciais eram de safra cheia para este ano. Porém, o continente, que produziu 290 milhões de toneladas de grãos duas safras atrás, corre o risco de colher menos de 285 milhões de toneladas, como ocorreu no ano passado, apontam os dados das organizações que representam produtores e cooperativas da França, Alemanha e Holanda.


A falta de chuva enfrentada na safra passada e na atual impede que a França, principal produtor agrícola da Europa, avance em produtividade. No caso do trigo, os produtores franceses alcançam 9 toneladas por hectare - três vezes mais do que as melhores lavouras brasileiras. Mas, no gráfico da evolução do rendimento, a linha da produtividade parou de subir, apresentando oscilações com baixas nos períodos mais secos como acontece atualmente.


Apesar do risco de queda na produtividade, o continente ainda espera suprir a maior parte de sua demanda interna e informa que as importações de produtos agrícolas devem apresentar estabilidade.

As próximas semanas são consideradas decisivas para o setor. Há regiões com déficit de chuva de até 60% nos últimos dois meses. As plantações em início de ciclo, no entanto, seguem verdes. Por outro lado, a meteorologia prevê que a estiagem deve se prolongar até meados do próximo mês.


Mesmo que a demanda interna seja atendida, o quadro pode sustentar altas nas cotações internacionais do trigo. A colheita já chegou a 150 milhões de toneladas na safra de 2008/09 mas, no ciclo 2011/12, tende a ficar em 139 milhões de toneladas.

As exportações do bloco podem cair de 22 milhões para 18 milhões de toneladas de trigo, segundo o secretário do Departamento de Agricultura dos EUA, o USDA, Tom Vilsack.

Soja

No mercado da soja (grão e farelo), principal produto agrícola que o Brasil exporta para a União Europeia, o clima europeu tem influência limitada. A produção da Europa cobre apenas 400 mil hectares e as importações, de 13 a 15 milhões de toneladas ao ano, é que sustentam a demanda no continente pelo grão. A previsão mais pessimista é que neste ano a importação seja de 13 milhões de toneladas.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink