Chuva favorece surgimento de doenças na região de Campo Mourão/PR

Agronegócio

Chuva favorece surgimento de doenças na região de Campo Mourão/PR

As principais pragas que afetam as lavouras são as manchas foliares, causadas por fungos, que se proliferam com mais vigor em clima úmido
Por:
701 acessos

O excesso de chuva que atingiu toda a região de Campo Mourão (PR) nos últimos meses está favorecendo para o surgimento de doenças nas lavouras de trigo. As principais pragas que afetam as lavouras são as manchas foliares, causadas por fungos, que se proliferam com mais vigor em clima úmido. Também há ocorrência de ferrugem da folha. Essas doenças podem diminuir o fluxo de seiva para as folhas e alterar o ritmo de enchimento dos grãos.

Para controlar o problema, os agricultores precisam aplicar fungicida, mas devido a sucessão de chuvas que causou a alta umidade do solo, os agricultores encontraram dificuldades para entrar com as máquinas nas lavouras.

O engenheiro agrônomo da Coamo, Marcílio Saiki, explica que o trigo é uma cultura que não precisa de muita chuva para se desenvolver. “O alto volume de chuva não está sendo bom para as lavouras. Vamos torcer para não chover na colheita que poderá causar perda na qualidade dos grãos”, pondera. A colheita nos municípios mais próximos de Campo Mourão iniciará no final de agosto e será intensificada em toda a região a partir da segunda quinzena de setembro.

O agricultor, Antonio Sabino Guadani, conta que a família plantou um total de 400 hectares de trigo na localidade do Campina do Amoral. Ele observa que no ano passado teve uma boa produção e que espera o mesmo para essa safra. “Como o plantio na área foi efetuado mais tarde, começou agora a aparecer doenças. As lavouras dos vizinhos que plantaram mais cedo já estão sendo atacadas por doenças e pragas”, assinala. O plantio na propriedade dele foi concluída no dia 06 de junho.

Ele observa que o trigo não gosta de muita umidade e que seria necessária de 15 a 20 dias de sol intenso para o bom desenvolvimento das plantas. “Aproveitamos os dias de sol para fazer o controle [químico]. É melhor fazer agora a prevenção, do que mais tarde o curativo.”

Chuvas – O mês de julho foi o mais chuvoso dos últimos 30 anos, segundo o Instituto Simepar. Foram registrados 172 milímetros e a média histórica é de 90 milímetros. Este ano, apesar da previsão ser de um inverno seco, choveu praticamente toda semana em da influência do fenômeno El Nin. A previsão é de que os efeitos ocorram até o final da primavera.

Área no Paraná – O mais recente Levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre a produção agrícola no Brasil, mostra um aumento de 11% na área para a cultura do trigo no Paraná, que se destaca como o maior produtor do grão. Para a safra de grãos 2008/09, que está encerrando, a previsão de produção é de 25,06 milhões de toneladas que corresponde a uma participação de 18,8% da produção nacional.

A safra total de grãos foi reavaliada e a queda em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram colhidas 30,51 milhões de toneladas, é de 16%. A seca prejudicou a primeira e a segunda safra de grãos cultivadas no Estado.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink