Chuvas atrasam plantio do arroz no Rio Grande do Sul

Chuvas

Chuvas atrasam plantio do arroz no Rio Grande do Sul

Semeadura tem que ser feita no máximo até 15 de novembro
Por:
270 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

Em crise já há algum tempo, a cultura do arroz no Rio Grande do Sul deve ver, nesta safra 2018/2019, sua área encolher. Dos 1,078 milhão de hectares plantados na temporada passada, segundo o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), a intenção de plantio neste ano é de 1,007 milhão de hectares, queda de 6,53%. A redução, porém, não é o único contratempo ao setor orizícola. 

O clima, com chuvas relativamente constantes, tem atrasado a semeadura e, junto com a falta de capital de giro dos produtores, pode derrubar a produtividade. Segundo o presidente da Federação das Associações dos Arrozeiros do Estado (Federarroz), Henrique Dornelles, a situação preocupa os produtores. "Ano passado já foi atrasado, e esse ano está ainda pior do que no ano passado", afirma o presidente. 

De acordo com o Informativo Conjuntural da Emater, divulgado nesta quinta-feira (18) a área plantada em nível estadual chega a 25% do total previsto. O percentual não atinge a média para o período, que é de 28%. "Sempre há uma janela boa em agosto para o preparo antecipado que, esse ano, não foi muito favorável", acrescenta o diretor técnico do Irga, Maurício Fischer. 

Para Dornelles, o motivo é o clima chuvoso, que impossibilita a semeadura. "E semana que vem a previsão é de chuva de novo", complementa o presidente da Federarroz. Fischer argumenta que até agora, pelo menos, as chuvas não vieram na intensidade inicialmente prevista, com sequência de até quatro dias chuvosos consecutivos, o que dificultaria ainda mais a semeadura. 

O diretor técnico do Irga acrescenta que o tempo está correndo, pois as melhores produtividades são obtidas com arroz plantado no mês de outubro. "A semeadura tem que ser feita no máximo até 15 de novembro. 

O clima tem que nos ajudar", afirma Fischer. Outro motivo de preocupação é a falta de caixa dos produtores, descapitalizados com os preços baixos da última safra. A estimativa é de que apenas 25% dos agricultores esteja dentro do crédito oficial, com o restante utilizando como fontes indústria, fornecedores ou mesmo crédito pessoal. "Temos muitos produtores com endividamento, o que torna proibitivo continuar. O arroz exige muito capital de giro e, quem não está com saúde financeira, fatalmente acaba abandonando a cultura", afirma Dornelles, que vê as áreas sendo ocupadas com soja, pecuária ou mesmo abandonadas. 

Nos últimos quatro anos, a média de área tradicionalmente de arroz direcionada à soja foi de 270 mil hectares, segundo Fischer. A rotação entre as duas culturas é recomendada agronomicamente e, nesse ano, com a situação econômica, deve ganhar ainda mais terreno. "Não temos acompanhamento ainda, mas a expectativa é de que passe dos 300 mil hectares", afirma o diretor do Irga. Fischer acrescenta que a área abandonada tende a ser aquela mais complicada, que exige maiores recursos para ser produtiva. "Com isso, podemos até ter a expectativa de que a média de produtividade melhore, e a rentabilidade também", comenta o diretor técnico, ressaltando, porém, que, sem dinheiro, é provável que os produtores reduzam o nível tecnológico nas lavouras. No ano passado, a produtividade chegou a 7.949 quilos por hectare, a maior já registrada no Estado, segundo o Irga. Dornelles conta, entretanto, que o clima contribuiu de forma surpreendente. "Tivemos um pico de radiação solar, um período de radiação solar fora do normal, e cremos que dificilmente isso se repita nesse ano", afirma o presidente da Federarroz. 

Por conta disso, Dornelles prevê que a produtividade convirja para perto dos 7,5 mil kg/ha, mas não descarta que alcance apenas 7,3 mil kg/ha, o que levaria a produção total para perto das 7,3 milhões de toneladas. Se confirmada, a safra seria mais de um milhão de toneladas menor do que a safra passada, quando foram colhidas pouco mais de 8,4 milhões de toneladas no Estado. "Um milhão de toneladas é tudo o que o Brasil importa do Mercosul, é uma queda extremamente importante", afirma Dornelles.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink