Chuvas em Montes Claros (MG) estão próximas da média histórica

Agronegócio

Chuvas em Montes Claros (MG) estão próximas da média histórica

Até agora já choveu 505 mm e a previsão é de que as chuvas ultrapassem em 20% a média histórica
Por: -Valéria Esteves
1 acessos

Que sejam bem vindas. Produtores norte-mineiros agradecem às bênçãos do céu pelas chuvas que não param de cair. Como previa a Emater, o índice pluviométrico dessa temporada pode ser maior que a média registrada nos últimos tempos, que é de 900 milímetros.

Conforme informou o agrônomo Marcos Eugênio Sampaio, até agora já choveu cerca de 505 milímetros e a previsão é que as chuvas ultrapassem em 20% a média histórica. A expectativa é favorável quanto à presença das chuvas no município e na região porque é um auxílio ao homem do campo.

Com certeza os produtores estão sendo beneficiados com a presença das chuvas, comenta o agrônomo. Os pastos, bem como a produção de grãos, serão favorecidos já que é preciso água para germinar a planta, diz.

"Se acontecer tudo normal não enfrentarmos veranico, como no último ano, ou outras adversidades. A região deve consumir tudo o que produzir na safra 2006/07 sem ter a necessidade de importar os alimentos de outros lugares e, assim, descapitalizar o Norte de Minas", lembra.

Para Reinaldo Nunes de Oliveira, coordenador técnico da Emater, a probabilidade de a safra de grãos se superar é grande. Só em Montes Claros o milho terá uma área de três mil hectares.

"Até agora choveu significativamente da quantidade esperada e, como as chuvas se anteciparam, muitos agricultores tiveram que apertar o passo para acompanhar o período chuvoso. Antigamente chovia no Norte de Minas em novembro, por isso a surpresa".

Excesso

Especialistas dizem que as chuvas são benéficas para a produção agrícola e pecuária, mas o excesso de águas também pode trazer inconvenientes, alerta. A justificativa em alguns estados é que a alta umidade e o calor excessivo colaborem com a proliferação de doenças na agricultura, como a ferrugem asiática. Já para a pecuária o problema está relacionado com o confinamento do gado bovino e o excesso de oferta.

Um outro detalhe a ser questionado por alguns produtores é em relação ao estado das estradas que tendem a ficar esburacadas e, assim, prejudicar o trânsito de caminhões que transportam os alimentos para os portos. E pelo que diz a Metereologia deve chover ainda mais na região sudeste graças às influências sofridas pelo fenômeno El Niño.

Segundo avaliação do analista da consultoria Safras & Mercado, Gil Barabach, o mercado está estimando uma produção de café no Brasil, maior produtor mundial do grão, inferior a atual, devido a bianualidade, alternância de safra alta e baixa entre dois anos. Mas os indicadores esperam que a saca do café arábico permaneça com bons preços, na casa de R$ 270 a saca.

Pelo menos a produção de café do Norte de Minas está em pleno vapor e os produtores esperam tirar uma safra boa se baseando, a princípio, na primeira cata que deve acontecer em abril de 2007. As chuvas para o senhor Marcos Antônio Oliveira, portanto vieram a calhar. "Meus pés de café, mesmo sendo irrigados, precisavam de água da chuva, assim economizo", conclui.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink