Chuvas impediram embarques de grãos por 310 horas em Paranaguá em março

Agronegócio

Chuvas impediram embarques de grãos por 310 horas em Paranaguá em março

Por:
387 acessos
SÃO PAULO - As chuvas paralisaram os embarques de grãos no porto de Paranaguá, um dos mais importantes do país, por um total de 310 horas ao longo do mês de março, informou a autoridade portuária na segunda-feira. 

Paranaguá responde, junto com o porto de Santos, pela maior parte das exportações brasileiras de grãos.

A paralisação, que somou quase 13 dias ao longo de março, colaborou para reduzir o volume de soja embarcada pelo Brasil no último mês. As exportações ficaram 16,5 por cento atrás de março de 2012, apesar de um grande volume de soja chegando aos terminais e de uma grande demanda internacional.


"No porto, não só a chuva é responsável por paralisar as operações. A elevada umidade do ar ou a ameaça de chuva já bastam para que os porões sejam fechados e os embarques interrompidos. Ao menor sinal de umidade, grãos como a soja são completamente danificados e a carga é perdida", ressaltou a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) em uma nota há alguns dias.


As chuvas paralisaram operações com grãos em um somatório de 27 dias e 6 horas entre o início de janeiro e 19 de março em Paranaguá. No mesmo período de 2012, as interrupções haviam somado 13 dias e 7 horas.

Nesta segunda-feira, 83 navios graneleiros aguardavam na fila para atracar, número semelhante ao verificado nas últimas duas semanas, de acordo com dados do site da Paranaguá Pilots, empresa que oferece serviços de praticagem (pilotagem).

Algumas embarcações com previsão de atracação para esta semana chegaram ao litoral paranaense no início de fevereiro, o que significa um tempo de espera de cerca de dois meses.

Segundo a Appa a maior parte dos navios na fila não têm ainda carga definida: ou os grãos ainda não chegaram do interior ou não foram sequer negociados.

"Em Paranaguá, os navios que não tem carga negociada, seja em função da não finalização dos lotes a embarcar, seja por falta de negociação de destino, em algum momento os embarcadores sabem que terão esta condição resolvida e conseguirão a carga", disse em março o superintendente de Paranaguá, Luiz Henrique Dividino.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink