Cidades bolivianas experimentam escassez de alimentos

BLOQUEIOS

Cidades bolivianas experimentam escassez de alimentos

Carne de frango, ovos e gasolina estão em falta em várias cidades
Por:
117 acessos

O bloqueio de estradas conduzidas por camponeses e setores de movimentos sociais após a renúncia do presidente Evo Morales exacerbou a situação em várias cidades bolivianas com escassez de alimentos, aumento de preços e longas filas , em meio à incerteza política e social.

O ministro do Governo, Arturo Murillo, garantiu aos jornalistas que os esforços estão sendo extremos, com a implantação de pontes aéreas, para fornecer alimentos à população boliviana afetada por barreiras que impedem o fornecimento normal de produtos de primeira classe necessidade.

"Estamos gastando qualquer quantia de dinheiro na construção de pontes aéreas, para que a população não tenha escassez", disse ele.

O bloqueio é sentido em La Paz (oeste), El Alto (oeste), Cochabamba (centro), Santa Cruz (leste), Sucre (sul), Potosí (noroeste), Oruro (oeste), segundo relatos das estações de televisão que mostram a escassez de mercados.

Devido ao cerco sofrido pela cidade de La Paz, os produtos alimentícios são escassos e seus preços subiram 100%, de acordo com a jornada da Xinhua por alguns mercados.

"O bordo de ovo que custa cerca de 21 bolivianos (3 dólares) subiu para 50 (7 dólares)", disse Marina, uma dona de casa que estava no mercado.

"O quilo da primeira carne antes dos conflitos (político e social) custa 40 bolivianos (US $ 5,7), agora deve ser pago em 100 bolivianos (US $ 14,3). No pior caso, não é mais encontrado "disse Mery, uma vendedora de carne que mostrou suas vitrines vazias.

Além disso, ele disse que a carne de frango, proveniente das cidades de Santa Cruz e Cochabamba, desapareceu devido ao bloqueio de estradas.

Em Cochabamba, de acordo com uma reportagem na televisão, no tradicional mercado de La Cancha, os comerciantes tinham poucos vegetais e frutas para oferecer a seus clientes, enquanto em alguns açougues seus balcões estavam vazios.

A Associação de Avicultores de Cochabamba (ADA-Cochabamba) informou que não pode transferir carne de frango e ovo principalmente para a cidade de La Paz, devido a bloqueios nas estradas.

Diante dessa situação, ele pediu ao governo que a Força Aérea Boliviana (FAB) alugasse aviões para o transporte de suprimentos e frango para seus mercados.

Outro problema enfrentado por várias cidades ocidentais é a escassez de gás liquefeito de petróleo (GLP), combustível para donas de casa e indústrias.

O transporte público na cidade de La Paz e El Alto reduz todos os dias seu serviço devido à falta de combustíveis, pois os postos de gasolina são escassos como resultado do bloqueio na área de Senkata na cidade de El Salvador, da qual os tanques devem sair para abastecer As várias estações de serviço.

O ministro de Hidrocarbonetos, Victor Hugo Zamora, admitiu que o problema é complexo, porque a falta de combustíveis em La Paz já é evidente.

Ele indicou que os grupos mobilizados exigem a renúncia de Jeanine Áñez, líder do governo interino apoiado pela oposição, e que isso não pode ser aceito.

O ministro da Presidência, Xerxes Justiniano, disse que todos os esforços estão sendo feitos para garantir o fornecimento no país.

O comandante geral da polícia, Rodolfo Montero, informou no domingo que esta instituição busca uma abordagem e um diálogo com os moradores do distrito 8 de El Alto - que bloqueiam a planta do Campo Petrolífero Fiscal Boliviano (YPFB) em Senkata - para restaurar a distribuição e o fornecimento de combustíveis para a região.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink