Clima retarda desenvolvimento da soja

Soja

Clima retarda desenvolvimento da soja

Ainda não há previsão de chuvas para os próximos dias
Por:
63 acessos

Após a passagem de uma frente fria que chegou a provocar algumas pancadas de chuva em diversas localidades, o pós-feriadão começou com céu aberto e temperaturas baixas. Isso, porque uma massa de ar polar avança sobre toda a região Sul do Brasil. Além da presença da massa de ar polar até o fim da semana, ventos frios também ocorrem, o que pode trazer algumas perdas pontuais às lavouras de soja no Estado. Ainda, não há previsão de chuvas para os próximos dias. Somente no domingo (18) é que há previsão do retorno da umidade ao Estado.

O tempo e as lavouras

As temperaturas, consideradas baixas para esta época do ano, podem afetar as culturas de verão nas lavouras da região. De acordo com o assistente técnico de produção vegetal da Emater regional, Nilton Cipriano Dutra de Souza, a queda nas temperaturas, observada nos últimos dias, é considerada atípica por técnicos do setor.

“A mudança no clima, com o tempo seco e mínimas em torno de 14ºC, afetam as culturas de verão na região do Alto Uruguai gaúcho. Em relação à soja, que no momento encontra-se em fase de enchimento de grãos, as baixas temperaturas podem acarretar em um retardamento do crescimento da cultura nas lavouras”, explicou.

Já em relação ao milho, a previsão do tempo não deve prejudicar a produção no campo. “Apesar de todas as culturas de verão apresentarem prejuízos com a queda na temperatura nessa época do ano, o caso do milho é um pouco diferente. Como as lavouras já estão colhendo e o grão está em fase de maturação, somente se houvesse o risco de geada para de fato termos prejuízo nas lavouras. O que pode acarretar em danos para o produtor é a safrinha de feijão, onde os agricultores estão dando início ao plantio. Nesses casos, a falta de chuva pode prejudicar, pois há uma necessidade iminente de água durante essa fase. Se a planta não receber água acontece o fenômeno de enrolamento das folhas”, declarou o técnico da Emater.

Soja em enchimento de grãos

De acordo com o supervisor técnico da Coperalfa, o engenheiro agrônomo Juliano Mezzalira, o tempo seco prejudica a fase de enchimento de grãos na produção da soja. “A cultura está em um estágio produtivo com o início da fase de maturação fisiológica e o tempo seco atrapalha nesse período, onde é necessária a chuva para o bom enchimento dos grãos. Se o tempo seco permanecer por muitos dias pode prejudicar a cultura da soja. Já em relação ao milho que já está sendo colhido, não há prejuízos efetivos”, declarou o engenheiro agrônomo.

Lavoura precoce de soja

A realidade é diferente na propriedade localizada no km 14-Dourado em Erechim, de 10 hectares de soja, do pequeno produtor rural, Ivan Tomkelski. Com a totalidade da produção utilizada para a comercialização dos grãos, o produtor, que iniciou o plantio da soja em novembro de 2017 e já prepara para colher entre o final de fevereiro e o início de março, o tempo frio e seco não afetou o produto.

“Está ótima a produtividade da nossa lavoura. Estamos quase no final do ciclo dos 120 dias da soja, pois o plantio foi mais cedo e, acredito que, se tivesse chovido um pouco mais, teríamos uma rentabilidade ainda maior”, avaliou o produtor.

Com investimento de cerca de R$ 20 mil na produção da lavoura, o produtor estima uma colheita de 600 sacas. Se a média contabilizada estiver em torno de R$ 70/saca, o pequeno produtor terá um rendimento bruto de R$ 42 mil e líquido de R$ 22 mil. Se tudo correr como o previsto, o lucro na lavoura de soja de Ivan Tomkelsi será de R$ 1,8 mil/mês.

Colheita da soja em abril

Com uma área plantada de mais de 243 mil hectares na região e, com o preço da saca estimado em R$ 70, a soja super precoce poderá ser colhida ainda em março, enquanto que na grande maioria das lavouras, o processo de colheita só inicia no mês de abril.

Mais de 10% do milho colhido

A colheita do milho na região do Alto Uruguai atingiu mais de 10% da área total de 33 mil hectares para a produção de grãos. Os dados da Emater regional também apontam que o clima não deve prejudicar a retirada do produto das lavouras. O preço do milho praticado em Erechim na quarta-feira (14) foi de R$ 28. A safra colhida apresenta produtividade dentro da expectativa e boa qualidade do produto.

Previsão completa

Tempo seco e com baixas temperaturas em toda região Norte do Estado até o fim da semana. Essa massa de ar seco será caracterizada por manhãs com temperaturas mais amenas, próximas dos 14ºC no início do dia. Durante as tardes, os termômetros sobem e devem chegar a uma média de 29ºC. Para os próximos dias não existe a previsão de chuva, que só tem chances de retornar ao Rio Grande do Sul no domingo (18). Para a quinta-feira (15), as temperaturas variam entre 14ºC e 28C°. Já na sexta-feira (16), as mínimas e as máximas prevalecem bem afastadas, oscilando entre 14Cº e 28Cº. Para o sábado (17) está previsto tempo firme, com poucas nuvens e sem probabilidade de chuva. A temperatura vai variar entre 15ºC e 29º. No domingo (18), a chance de chuva aumenta porém, a média da temperatura segue no mesmo ritmo da semana, variando entre 14ºC e 29ºC.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink