CNA, Mapa e setor produtivo debatem Plano de Desenvolvimento da Fruticultura

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
Imagem: Pixabay
FRUTICULTURA

CNA, Mapa e setor produtivo debatem Plano de Desenvolvimento da Fruticultura

No plano, foram definidos dez temas prioritários, como defesa vegetal, governança da cadeia produtiva e marketing
Por:

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Ministério da Agricultura e entidades representativas do setor de frutas se reuniram, na quinta (10), para discutir a retomada das ações do Plano Nacional de Desenvolvimento da Fruticultura (PNDF), lançado em 2018. O tema foi tratado em reunião conjunta da Comissão Nacional de Fruticultura da CNA e da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Fruticultura do Mapa. O documento foi desenvolvido para ser utilizado como ferramenta de apoio para o governo na construção de políticas públicas, a partir da indicação de objetivos estratégicos para o desenvolvimento do setor.

No plano, foram definidos dez temas prioritários, como defesa vegetal, governança da cadeia produtiva, marketing e comercialização, infraestrutura e logística, marco regulatório e pesquisa e desenvolvimento e inovação.

O presidente dos dois colegiados, Luiz Roberto Barcelos, afirmou que a iniciativa foi traçada também com intuito de estimular o consumo de frutas no mercado interno e aumentar as exportações do setor.

“A fruticultura brasileira viverá um novo momento com a retomada da discussão do PNDF. Com ele, esperamos resolver os gargalos do dia a dia do produtor e ampliar a competitividade da cadeia produtiva de frutas frescas e derivados”, disse.

O assessor da Secretaria Executiva do Mapa, Luiz Eduardo Rangel, explicou que o PNDF não é um plano de governo, mas do setor privado, construído em sinergia com o governo, e que inclui metas de médio e longo prazo da fruticultura brasileira até 2028. “O Plano foi lançado em 2018 e neste momento precisamos fazer uma releitura do texto e do setor e readequar à nova realidade”.

Rangel apresentou alguns resultados dos temas prioritários até o momento, que indicam a alteração de cenário. De 2017 a 2021, por exemplo, foram abertos nove mercados para as frutas brasileiras, com destaque para manga (Peru), melão (China) e maçã (Colômbia).

Outro assunto discutido na reunião foi a criação de um Fundo para o Desenvolvimento da Fruticultura. Segundo Luiz Roberto Barcelos, o objetivo de desenvolver um fundo é dar segurança financeira ao setor e estimular o consumo de frutas no país, que ainda é considerado baixo.

“A nossa preocupação é com o orçamento disponível do governo. Precisamos garantir recursos para a fruticultura, principalmente para combater pragas e doenças e estimular o consumo no mercado interno. Mas para isso precisamos de um arcabouço jurídico e criar um grupo de trabalho para construção do fundo, com participação ativa do setor privado”, destacou.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink