CNA contesta crescimento do PIB agrícola apontado pelo IBGE
CI
Agronegócio

CNA contesta crescimento do PIB agrícola apontado pelo IBGE

CNA diz que os cálculos do IBGE não consideram os preços pagos em 2006
Por:

O superintendente técnico da Confederação da Agricultura e da Pecuária do Brasil (CNA), Ricardo Cotta, contestou nessa quarta-feira (28-02) o crescimento de 3,2% no Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária apontado pelo IBGE. A agropecuária não cresceu, e sim perdeu 2% em 2006, disse. Segundo ele, os cálculos utilizados pelo IBGE não levaram em consideração os preços correntes pagos em 2006, mas os preços constantes do ano anterior.

Tivemos uma queda de 5% nos preços médios pagos ao produtor e os reflexos só não foram mais negativos porque a produção física no campo cresceu de 2% a 3%. Segundo ele, a queda de renda do produtor, afetado por uma sequência de safras ruins e de preços baixos, afetou o desempenho da agropecuária em 2006. Infelizmente, desta vez não contribuímos para o crescimento do PIB brasileiro.

Para este ano, a expectativa é mais positiva. Ele prevê um crescimento de 5% na produção de grãos e de 3% na de leite, carne e ovos. Vamos ter uma safra recorde e tudo indica que os preços serão melhores.

Para o pesquisador Geraldo SantAna de Camargo Barros, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq), da Universidade de São Paulo, o agronegócio continua salvando a lavoura da economia. A confirmação de um crescimento muito pequeno no PIB indica uma virada concreta do setor depois de um longo período no vermelho. Muito pequeno, é verdade, mas que insinua uma recuperação que pode se estender para o ano de 2007.

O setor agrícola, segundo Barros, foi responsável pelo agronegócio ficar no azul, já que a pecuária continua em queda, embora um pouco menos acentuada. Dentro da porteira, a agricultura está reagindo, mas a pecuária não, analisou. O presidente da Cooperativa Agroindustrial Cocamar, Luiz Lourenço, acredita que a contribuição do agronegócio para o PIB será mais significativa este ano. O ano passado, segundo ele, não teve nada de bom. A crise de 2005 persistiu e ainda persiste em algumas regiões. O dólar baixo atrapalhou bastante, mas a produtividade também caiu.

Ele considerou horrorosos os dois primeiros trimestres do ano passado. Houve melhora a partir de julho, mas só sentida no final do ano. Agora, com a safra de verão sem problemas e os preços em recuperação, estamos animados. Lourenço acredita que os produtores terão condições de pagar as dívidas renegociadas em anos anteriores e renda para melhorar a produção. A demanda pelo biocombustível está criando uma estrutura nova no mercado e dá ao produtor a garantia de que haverá liquidez.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink