Codapar vai incorporar a Claspar em 2012
CI
Agronegócio

Codapar vai incorporar a Claspar em 2012

Por:
Governo planeja contratar novos servidores e, ao mesmo tempo, reduzir despesas com pessoal, incentivando o afastamento de aposentados. Serviços devem ser reestruturados

A incorporação da Empresa Pa­­ranaense de Classificação de Pro­­dutos (Claspar) pela Companhia de Desenvolvimento Agropecuá­rio do Paraná (Codapar) se tornou ponto pacífico na última se­­mana, com aval de todos os agentes en­­volvidos, inclusive do sindicato dos servidores. A avaliação geral é que as duas empresas não acompanharam a evolução do agronegócio e precisam de uma injeção de ânimo, com reformulação de suas estruturas e novos projetos.


O desafio será reduzir despesas e, ao mesmo tempo, modernizar armazéns, laboratórios e maquinários. Contratar mais servidores e baratear a folha de pagamento. Criar um plano de demissão voluntária para os aposentados – 23% dos 484 servidores das duas empresas se aposentaram e continuam trabalhando – sem descartar o conhecimento e a experiência acumulados pelos especialistas.

“As duas empresas tiveram importante atuação nas décadas de 70 e 80, mas perderam presença. E hoje o Paraná precisa de me­­lhores serviços, estradas rurais mais bem estruturadas e conservadas. Vamos renovar o quadro de funcionários, ganhar ousadia”, afirma o secretário esta­dual da Agricultura, Norberto Ortiga­ra. Ele defende que é possível, sim, gastar menos e fazer mais.

A criação de um Plano de De­­missão Voluntária (PDV) direcionado aos aposentados vem sendo bem aceita pelo sindicato que representa os servidores das duas em­­presas, o Sindaspp. “O projeto é interessante, vai unificar os serviços e terá um novo plano de car­­gos e salários. Ainda não discutimos detalhes, mas esperamos novas contratações, sem redução do piso salarial”, afirma Ivo Petry, coordenador geral do Sindaspp.


Como são celetistas, os aposentados optam por continuar trabalhando na Codapar e na Claspar para não terem suas remunerações reduzidas ao teto pago pelo Instituto Nacional do Seguro So­­cial (INSS) – R$ 3,6 mil. O PDV de­­verá oferecer compensações para quem, enfim, aceitar esse limite. Há classificadores de sementes que não conseguem mais subir em caminhões, relatam os diretores das empresas.

Eles assumem a posição de defensores da renovação. “Estou entre os mais novos aqui”, afirma rindo o presidente da Claspar, Carlos Alberto Scotti, pesquisador aposentado do Instituto Agronô­mi­­co do Paraná (Iapar). “Precisa­mos de um choque de gestão”, defende. A nova empresa terá um único presidente.

A princípio, a ideia era de fu­­são. As reuniões da última semana, no entanto, apontam que a saí­­da será a incorporação da Clas­­par, 100% pública, pela Codapar, que é de economia mista. O estado é acionista majoritário na companhia, com 90% de participação, e deve comandar também a nova instituição, que ainda não tem no­­me definido.


Esse processo de união, a extinção ou a criação de novos departamentos, a reestruturação dos serviços, tudo depende agora de um grupo de consultores do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. A expectativa é que o plano saia em seis meses e seja implantado em um ano.

“Vamos conhecer a nova formatação no próximo semestre, mas trabalharemos paralelamente na incorporação”, prevê o diretor de Administração e Finanças da Codapar, Sinval Tadeu Amaral Reis. Ele afirma que os serviços devem ser mantidos e os contratos atuais, honrados. Existe possibilidade de ampliação de serviços.

A nova empresa deverá atuar em sintonia com os projetos do governo do estado, conforme o se­­cretário da Agricultura. Uma das metas é recuperar as estradas rurais. “Temos 200 mil quilômetros de estradas, de responsabilidade compartilhada com os municípios, que precisam de recuperação.” Além disso, a intenção é tornar a estrutura lucrativa. “Há quatro anos, a Claspar não consegue cobrir a folha de pagamento”, aponta Ortigara.


Renovação

Mudança promete mais investimentos

A Codapar tem previsão de faturamento de R$ 30 milhões para 2012 e expectativa de lucro, apesar de não ter recebido os investimentos que merecia na última década, avalia o diretor de Administração e Finanças da empresa, Sinval Tadeu Amaral Reis. Ele acredita que a incorporação da Claspar vai encerrar esse período, que fez o parque de máquinas perder competitividade na prestação de serviços como a abertura de estradas rurais.

A empresa precisa modernizar também sua estrutura de armazenagem, considera. O governo do estado vem se manifestando a favor ainda de investimentos no terminal de embarque que a Codapar possui no Porto de Paranaguá.

Diferente da Claspar, que pertence 100% ao governo do estado, a Codapar é de economia mista. “São 90% do estado e o restante de acionistas (como o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, BRDE), que estão acompanhando as discussões e, como a proposta é ampliar os investimentos e negócios, mostram-se favoráveis ao projeto”, diz Reis. Ele ressalva, no entanto, que nada ainda é definitivo e que tudo vai depender do plano de incorporação, que deve ficar pronto dentro de seis meses.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.