Começa a dragagem nos berços do Porto de Paranaguá

PORTO DE PARANAGUÁ

Começa a dragagem nos berços do Porto de Paranaguá

Outro benefício da dragagem é o recolhimento do ISS que a prestação desse serviço para o município onde é realizado
Por:
165 acessos

A empresa pública Portos do Paraná iniciou a dragagem dos berços do cais comercial e píer público de inflamáveis do Porto de Paranaguá. Com a obra, que é de manutenção, a profundidade mantida nos berços é de 13,5 metros. Para o berço interno do píer de inflamáveis, são 11 metros.

Os primeiros berços já começaram a ser dragados na última quarta-feira (13). Os trabalhos começaram pelos dois berços do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP), o 217 e 218. Nesses, a obra deve ser concluída até amanhã (15).

“No total, serão cerca de 150 mil metros cúbicos de sedimentos retirados no cais comercial e parte interna do píer de inflamáveis. A obra mantém o porto operacional, igualando as profundidades dos berços aos acessos aquaviários”, explica Ricardo Delfim, oceanógrafo da Diretoria de Engenharia da Portos do Paraná.

CRONOGRAMA

Concluídos os berços de movimentação dos contêineres, os próximos a serem dragados serão os berços 204, 209, 211, 212, 213, 214 e o 141. Segundo diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Junior, é preciso que os berços ofereçam segurança para que os navios atraquem e os operadores possam movimentar as cargas.

“Essa equalização da profundidade dos berços possibilita operacionalmente uma flexibilidade na atracação dos navios. É fundamental para a atividade portuária manter a infraestrutura marítima”, afirma Teixeira.

Segundo o diretor, a segurança e a viabilidade do porto estão diretamente ligadas a essa manutenção. “É preciso ter um porto operacional para economia do município e do Estado e, inclusive, do país”, comenta.

Outro benefício da dragagem, de acordo com Teixeira, é o recolhimento do ISS que a prestação desse serviço para o município onde é realizado.

EQUIPAMENTOS

A dragagem dos berços começa a ser feita com a draga Elbe, holandesa. A embarcação tem capacidade de cisterna de 2.500 metros cúbicos e é auto transportadora (ou seja, os sedimentos são dragados e carregados pela própria draga). Considerada de pequeno porte, a draga é bem ágil nesse transporte.

PROGRAMA

Esta obra está inserida no programa de manutenção continuada da profundidade dos Portos do Paraná, que prevê as obras para os próximos cinco anos. O investimento público total para o programa será de R$ 403 milhões, ao longo destes cinco anos.

A campanha começou no último mês de agosto, com a dragagem do canal de acesso e da bacia de evolução do Porto de Antonina (área Delta). Até o momento, foram retirados desta área, cerca de um milhão de metros cúbicos.

O canal de acesso é o trecho que liga os berços de atracação e o mar aberto. Bacia de evolução é como é chamada a área próxima ao cais, onde as embarcações fazem as manobras de giro/atracação e desatracação em um porto.

BACIAS DE EVOLUÇÃO

Além das áreas do Porto de Antonina e dos berços do Porto de Paranaguá, as atividades do programa de dragagem de manutenção continuada também serão realizadas no canal de acesso e bacias de evolução de Paranaguá (áreas Alfa, Bravo e Charlie).

O volume total de sedimentos a serem retirados do fundo do mar, nos dois portos, será de quase 22 milhões de metros cúbicos.  O objetivo da dragagem de manutenção é manter a profundidade do canal, evitando o assoreamento, garantindo o calado operacional dos navios e a segurança da navegação pelos portos paranaenses.

FUNCIONAMENTO

Para dragar estas primeiras áreas determinadas, as embarcações usam um ou dois tubos de sucção. Enquanto dragam, esses tubos são baixados até o fundo do mar, fazendo os movimentos de arrasto para sugar os sedimentos, através de bombas centrífugas, e soltar na cisterna do equipamento.

Com a cisterna cheia, os tubos de sucção voltam a bordo do navio e a draga faz a viagem até a área de descarte.

A área de despejo dos sedimentos dragados fica localizada a mais de 20 quilômetros da Ilha da Galheta e da Ilha do Mel. Em média, devem ser realizadas duas viagens por dia, por equipamento.

O local de descarte, regulamentado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), foi definido após estudos de correntes e outros aspectos climáticos, como a mais indicada para a dispersão do material dragado sem prejuízos ambientais.

MONITORAMENTO

Durante as campanhas de dragagens de manutenção - como determina o Plano de Controle Ambiental, aprovado pelo Ibama, são executados programas de comunicação, educação e monitoramentos ambientais.

Para esta campanha, a empresa pública desenvolve: programa de comunicação social; programa de educação ambiental, programa de monitoramento da qualidade das águas; programa de monitoramento da qualidade dos sedimentos; e programa de monitoramento do volume dragado.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink