Comércio Exterior é tema de seminário promovido pela CNA, em parceria com a Apex-Brasil

Agronegócio

Comércio Exterior é tema de seminário promovido pela CNA, em parceria com a Apex-Brasil

Esse evento marca o lançamento da Rede que tem atividades previstas durante 18 meses, com eventos presenciais e palestras por videoconferência.
Por:
465 acessos

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), promove, entre os dias 16 e 17 de agosto, o Seminário da Rede Agropecuária de Comércio Exterior – InterAgro, em Brasília. Esse evento marca o lançamento da Rede que tem atividades previstas durante 18 meses, com eventos presenciais e palestras por videoconferência sobre temas do mercado internacional.

De acordo com a assessora para Acesso a Mercados da CNA, Camila Sande, o objetivo do evento é capacitar profissionais e técnicos do setor para melhorar o desempenho com o comércio internacional e sensibilizar os produtores rurais para um maior engajamento nos temas trabalhados.

O primeiro dia do Seminário contou com debates sobre as vantagens da exportação de produtos e serviços, procedimentos do comércio exterior agrícola e negociações internacionais. Em sua exposição, o supervisor de Competitividade da Apex-Brasil, Tiago Terra, afirmou que exportar é muito mais que uma fonte de renda ou uma interação entre pessoas e empresas, é uma alternativa de desenvolvimento. “Todo mundo ganha com o comércio exterior: o exportador, o importador e o mercado interno, com o ingresso de divisas, com geração de emprego e renda”, disse.

Para o representante da Apex-Brasil, existem três caminhos a seguir para se alcançar o mercado externo: definir o tamanho do negócio, identificar o mercado alvo e estar preparado de forma profissional. “A exportação é a oportunidade de diversificar o mercado consumidor e deixar o negócio menos dependente das oscilações da economia doméstica, além de acompanhar o mercado globalizado em termos de inovação e tecnologia”, defendeu Tiago Terra.

A Superintendente de Relações Internacionais da CNA, Alinne Oliveira, e a assessora Camila Sande, apresentaram as principais características do comércio agrícola e das negociações de acordos comercias e os impactos para a agropecuária brasileira. Alinne listou os níveis de integração de acordos entre países ou blocos econômicos: “um acordo de livre-comércio abrange a redução de tarifas entre os membros; a união aduaneira possui tarifas externas comuns; o mercado comum tem livre movimento de capital e serviços, mas regulações nacionais diferentes; a união econômica não tem barreiras para comércio e a união política possui um governo comum”, disse. 

Sobre as negociações comerciais, Camila Sande explicou que o objetivo principal é a liberalização das trocas de comércio entre países. “Em uma negociação, as partes definem o acesso dos seus produtos ao outro mercado, regras e requisitos sanitários e fitossanitários, dentre outros elementos. Os tipos de negociação se dividem em bilateral (Brasil e México, Mercosul e União Europeia, Parceria Transatlântica – TTIP), regional (Mercosul, Aliança do Pacífico, Parceria Transpacífica – TPP) e multilateral (Organização Mundial do Comércio – OMC)”.

No segundo dia do seminário, temas como atuação do governo na execução da política comercial brasileira e o panorama global das relações comercias foram destaques da programação. O chefe de Departamento de Negociações Internacionais do Ministério das Relações Exteriores (MRE), embaixador Ronaldo Costa, destacou os desafios do Brasil e do setor agrícola. Para ele, o Brasil precisa aprofundar a remoção de barreiras tarifárias e não-tarifárias e incluir novos temas de comércio exterior no Mercosul e na América do Sul, assim como, celebrar acordos com países capazes de fornecer insumos e capital de alto conteúdo tecnológico e ganhos significativos para a balança comercial.

Sobre a ação do governo na execução da política comercial brasileira, o diretor do Departamento de Negociações Internacionais da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Abrão Miguel Árabe, afirmou que o Brasil possui importante rede de acordos na região, mas concentrada em tarifas e a estratégia é ampliar a temática dos acordos regionais. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink