Comitê elabora plano de controle biológico para Mato Grosso do Sul

Agronegócio

Comitê elabora plano de controle biológico para Mato Grosso do Sul

  Mato Grosso do Sul enfrenta vários problemas de pragas e doenças nas lavouras e na pecuária
Por:
576 acessos

Pragas e doenças de plantas, animais e microrganismos causadas por agentes biológicos diversos têm grande impacto na produtividade agropecuária e agroindustrial, tanto nos custos de produção quanto na saúde humana e animal, além de trazer eventuais impactos negativos ao meio ambiente pelo emprego sistêmico de agroquímicos.
 
Mato Grosso do Sul enfrenta vários problemas de pragas e doenças nas lavouras e na pecuária. Hoje um problema considerado emergencial é o controle da mosca-dos-estábulos, que atinge diretamente os produtores de carne e de leite com prejuízos que variam entre 20% e 50%, além de atingir a cadeia produtiva da indústria sucroalcooleira. O Estado tem registro de vários surtos e a Embrapa Gado de Corte tem atuado no monitoramento destes episódios.  Pesquisadores trabalham no desenvolvimento de tecnologias que possam controlar o problema e uma delas se baseia no controle biológico.
 
Preocupados com isso, instituições de pesquisa e desenvolvimento foram selecionadas pelo envolvimento de seus trabalhos com o tema controle biológico de pragas e doenças ou por representarem as cadeias produtivas do Estado, para formação de um Comitê e elaboração de um Plano de Controle Biológico para Mato Grosso do Sul.
 
Profissionais e pesquisadores da Embrapa Gado de Corte e Embrapa Agropecuária Oeste, Fundação-MS, Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul) e Secretaria de Estado de Produção e Agricultura Familiar (SEPAF), finalizaram o documento e no início de dezembro fizeram a entrega oficial ao Secretario de Produção e Agricultura Familiar, Fernando Mendes Lamas, apresentando ações prioritárias e metas a serem atingidas a curto, médio e longo prazo, que foram levantadas diretamente das cadeias que cuidam da produção de alimentos, energia e fibras do Estado.
 
Conforme explicou o professor Ruy Caldas, da UCDB, que coordenou o comitê, o trabalho foi minucioso e além dos representantes da primeira formação, teve importante auxilio no levantamento das potenciais tecnologias de controle biológico e de manejo integrado de pragas e doenças, de profissionais de diferentes instituições de ciência e tecnologia (ICTs) do Estado e de referência nacional, além de empresas do setor privado demandante de tecnologias.
 
Segundo Ruy, as visões e as demandas do setor privado, os potenciais de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) das ICTs, tanto estaduais quanto nacionais e as tecnologias em fase de validação, também estão apresentadas no plano, bem como as experiências de sucesso na utilização do controle biológico de pragas e doenças. Para ele a qualidade dos profissionais envolvidos dá a dimensão do projeto entregue ao secretário.
 
A Chefe Adjunta de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Gado de Corte, Lucimara Chiari, destacou a importância do modelo de gestão, apresentado pelo comitê. No formato de parceria-público-privada, ao se colocar o plano em prática, a população recebe benefícios diretos, resultado da diminuição do uso de produtos químicos nas lavouras.
 
Para o Secretário Fernando Mendes Lamas existe uma grande preocupação com o aumento do uso de agrotóxico que impactam diretamente nos custos de produção e na resistência dos produtos disponíveis no mercado. "Usar inimigos naturais das pragas e de vetores de doenças, de modo a controlar a população mantendo um equilíbrio no sistema é a única forma de revertermos essa situação. Um plano de controle biológico é fundamental para que essas transformações possam começar a acontecer", completou Lamas. Para ele, o estabelecimento de politicas públicas que possam contribuir para o aperfeiçoamento dos mercados que suprem insumos, no caso específico para a agropecuária nacional, é papel do Estado brasileiro, e missão de Estados produtores, como é Mato Grosso do Sul.
 
Participaram do ato de entrega do Plano, além do Secretário Fernando Lamas, a Chefe Adjunta de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Gado de Corte, Lucimara Chiari; o Professor Ruy Caldas, da UCDB; Jolimar Schiavo, da Fundect; Fabricio Fagundes Pereira, da UFGD; o Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Agropecuária Oeste, Harley de Oliveira; Marina Dobashi e Filipe Portocarrero, da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro); Dito Mario, da Reflore; Juliana Fernandes, da SFA/Ministério da Agricultura e Abastecimento (MAPA); Francimar Perez da Silva e Edwin Baur, da Sepaf e Bianca Correa, da Uniderp.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink