Como o Big Data pode ajudar a melhorar a saúde de suínos

Suínos

Como o Big Data pode ajudar a melhorar a saúde de suínos

Cinco exemplos comerciais diferentes, nos quais a saúde dos suínos pode ser apoiada pelo Big Data
Por:
38 acessos

Em breve, todo produtor agrícola adotará biosseguridade, os protocolos de vacinação serão perfeitos e os problemas de saúde pulmonar serão atendidos muito mais cedo. Sensores e big data estão fluindo para a saúde dos suínos - e isso é apenas o começo, escreve Vincent Beek, editor da Pig Progress.

O que a saúde dos suínos e o Big Data têm em comum? Mais do que se pensaria! No recente Simpósio Europeu de Gestão de Saúde de Suínos (ESPHM), realizado em Barcelona, Espanha, de 9 a 11 de maio, foram demonstrados pelo menos cinco exemplos comerciais diferentes, nos quais a saúde dos suínos pode ser apoiada pelo Big Data.

Monitoramento da tosse

O monitoramento da tosse, uma abordagem que usa microfones, algoritmos e sistemas inteligentes de alerta, está no mercado há mais de uma década. A empresa belga Soundtalks desenvolveu a abordagem, juntamente com a gigante da saúde animal Boehringer Ingelheim. Agora testes em larga escala estão sendo realizado em fazendas de suínos dos EUA, o que significa outro passo no desenvolvimento do aplicativo, como foi descrito pelo Dr Dale Polson, da Boehringer, na ESPHM.

A ideia por trás do projeto era avaliar o posicionamento ideal e a configuração de um sistema contínuo de monitoramento de som em grandes edifícios - ou, em outras palavras, se você deseja obter uma detecção correta da tosse com o mínimo possível de microfones, onde instalá-los dentro de uma granja?

Aumentando a consciência da biosseguridade

A MSD Animal Health falou sobre o B-eSecure, um sistema eletrônico que monitora e relata a biosseguridade externa e interna, o que essencialmente ajuda os suinocultores a mudar seu comportamento. Em nome da MSD, Victor Geurts introduziu os dois componentes do plano, sendo "Seja visto como seguro" para biosseguridade externa e PRRSoNS para biosseguridade interna.

No último sistema, os movimentos de pessoas são seguidos no momento que estas usam equipamentos especiais para identificação. Testes em fazendas na Holanda mostraram que isso ajuda as fazendas a melhorar sua biosseguridade e é uma ferramenta interessante para treinamento, instrução e monitoramento de novos funcionários.

Novos dispositivos de vacinação de porcos

O ano de 2018 é definitivamente o ano do avanço dos dispositivos de vacinação de alta tecnologia. A ideia é a seguinte: coloque um frasco dentro de um suporte, segure a parte de disparo na pele do porco e o animal é injetado.

A parte de alta tecnologia é que o dispositivo pode armazenar o número de aplicações e pode dar um aviso quando uma vacina não foi aplicada. Usando Wi-Fi ou Bluetooth, ele informa de volta a um aplicativo em um smartphone e / ou ao gerente da fazenda no escritório quanto foi vacinado para qual tipo de animal, quando aconteceu e por quem. Todos apresentados em gráficos fáceis de entender.

Claro que depende do país se um veterinário de porcos ou um tratador habilitado pode usá-lo.

Saúde Animal Ceva: Smartvac

Pelo menos três grandes empresas de saúde suína desenvolveram e lançaram uma abordagem como essa. A Ceva Animal Health apresentou o seu Smartvac, um sistema desenvolvido internamente. O sistema tem uma abordagem intramuscular, que vem com uma agulha. Além disso, ele vem com um anel que precisa ser mantido estável e pressionado para realizar uma injeção - um recurso de segurança e precisão.

Curiosamente, a Ceva também oferece uma análise de pontuação pulmonar após a morte. Os resultados disso podem ser correlacionados com os esquemas de vacinação originais e analisados para otimização do processo. O dispositivo também pode registrar a velocidade de vacinação, o número de agulhas usadas e a produtividade.

Hipra: Hipradermic e HipraQnect

A vacinação intramuscular por meio de uma agulha é uma característica que também pode ser encontrada na gama de dispositivos médicos da Hipra - a empresa oferece duas opções. A empresa oferece Hipradermic, um dispositivo de vacinação intradérmico, sem agulha, que é exclusivamente para a sua vacina PRRS. A opção sem agulha já é a 2ª geração e está disponível em mercados onde a PRRS é um problema de saúde.

Todas as outras vacinas da Hipra podem ser administradas usando o novo dispositivo intramuscular, HipraQnect. O dispositivo complementar foi anunciado na ESPHM - e será introduzido gradualmente agora. As principais características do novo dispositivo são: seus sensores de qualidade, para detectar a qualidade do desempenho da vacinação por agulha, e sua conectividade. O HipraQnect incorpora um cartão SIM 3G capaz de transferir todas as informações gravadas diretamente para a nuvem, como um telefone celular. Ambos os dispositivos foram desenvolvidos pela própria equipe tecnológica da Hipra.

MSD Animal Health: IDAL

Por fim, a empresa com a mais longa experiência neste campo é a Merck / MSD Animal Health com o IDAL. Pouco antes da ESPHM, a empresa apresentou sua 3ª geração do dispositivo. A MSD optou por uma abordagem exclusiva - apenas as vacinas da empresa podem ser usadas no seu IDAL, sendo a Porcilis PCV ID, a Porcilis M hyo ID Once, a Porcilis PRRS, a Porcilis AD Begonia e a Prime Pac PRRS.

Para a construção do IDAL, a MSD juntou-se à conhecida produtora de seringas de qualidade Henke-Sass Wolff, da Alemanha. O 3G tem uma bateria Li-Ion de longa duração, que é o dobro do intervalo de serviço do seu antecessor. O dispositivo também possui um novo design equilibrado, superfície de 2 componentes com formato ergonômico para máxima aderência e manuseio intuitivo com controle de 2 botões e exibição gráfica.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink