Como serão os testes de qualidade de produtos vegetais?
CI
Imagem: Foto: Divulgação/Seapdr
NO RIO GRANDE DO SUL

Como serão os testes de qualidade de produtos vegetais?

Neste ano, vão ser analisadas amostras de alface, banana, batata-doce, citros, feijão e tomate

O Departamento de Defesa Vegetal (DDV) da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) iniciou no mês de março a coleta de produtos vegetais no varejo de diversas regiões do Estado, tendo por objetivo verificar a qualidade dos produtos vegetais referentes à presença de resíduos de agrotóxicos. Neste ano, vão ser analisadas amostras de alface, banana, batata-doce, citros, feijão e tomate. No mês de março, foram coletadas 12 amostras. E até o final do levantamento, devem ser coletadas 93 amostras. Os fiscais estaduais agropecuários, responsáveis pelo trabalho, vão fazer a coleta nas regiões de Porto Alegre, Santa Maria, Santa Rosa, Osório, Pelotas, Lagoa Vermelha, Erechim, Uruguaiana, São Luiz Gonzaga, Estrela e Passo Fundo.

Conforme informações da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, as amostras serão encaminhadas para laboratórios federais de defesa agropecuária (LFDA) dos estados de Goiás e Minas Gerais. O trabalho faz parte do Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal (PNCRC) e tem como objetivo monitorar e fiscalizar os resíduos de agrotóxicos e de contaminantes químicos e biológicos em produtos de origem vegetal.
O Rio Grande do Sul é o único estado do país que tem um convênio com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para fazer as coletas do PNCRC. Nos outros estados, as coletas são realizadas pelos auditores do Ministério.

Entre 2015 e 2018, o objetivo da coleta era fazer um monitoramento dos produtos vegetais. A partir de 2019 passou a ter um caráter fiscalizatório, podendo gerar a lavratura de autos de infração contra os responsáveis pelo produto contaminado.

“Nestas ações no varejo, além da coleta de amostras, se verifica a rastreabilidade dos produtos, pois o varejista tem que deixar exposto nas gôndolas as informações do produtor responsável, mesmo sendo a granel”, observa a chefe da Divisão de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (DIPOV), Fabíola Boscaini Lopes. Estas informações podem ser disponibilizadas por meio de etiquetas nos produtos a granel ou em cartazes junto ao valor do produto. Assim, os consumidores têm a informação de quem produziu os alimentos.

“Da mesma forma que temos a garantia e a informação da rastreabilidade dos produtos embalados, temos que ter essa mesma garantia para os produtos a granel. Em casos onde não é possível ter a informação do produtor, o varejista deve responder em casos de irregularidades”, afirma Fabíola.

As amostras

Desde 2015 até 2021 a Secretaria da Agricultura coletou 773 amostras dos seguintes produtos: abacaxi, cebola, goiaba, alho, citros (laranja), banana, maçã, pimentão, beterraba, batata, amendoim, tomate, trigo, uva, pera, soja, milho, arroz (polido e integral), kiwi, morango e feijão.

A média de inconformidades registradas até 2021 foi de 8,9%, sendo os principais motivos os agrotóxicos encontrados acima do limite máximo de resíduos, agrotóxicos de uso não permitido para a cultura e agrotóxicos proibidos.

Seadpr*


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.