Comportamento de preços favorece produtores de milho
CI
Agronegócio

Comportamento de preços favorece produtores de milho

Aumento do consumo e estoques baixos projetam cenário positivo no setor
Por:

Os produtores de milho estão com um olho na lavoura e o outro fixo no mercado. A tendência de bons preços para a safra, que já começa a ser colhida em algumas regiões brasileiras, cria um clima de euforia e a certeza de que neste ano não se repetirá a desvalorização observada em safras anteriores, quando o produto foi comercializado até por R$ 10 a saca. O aumento da demanda interna e externa, aliado à drástica redução dos estoques reguladores nos principais mercados consumidores mundiais, inclusive no Brasil, deixam a expectativa de que os preços do produto não devem cair muito abaixo dos R$ 15 no pico da colheita, mantendo assim preços médios bastante atrativos.

O engenheiro agrônomo Sérgio da Silva Freitas Júnior, diretor da Cossisa Agroindustrial S.A., da fazenda Bom Jardim, no município de Uberlândia (MG), divide esta mesma expectativa. A empresa cultivou nesta safra três mil hectares e o início da colheita está previsto para o dia 20 de fevereiro. Toda a produção é destinada ao consumo próprio, na produção de ração para as granjas integradas. Além do que for colhido na fazenda, o engenheiro acredita que ainda será necessário comprar em torno de 100 mil sacas do grão para atender à demanda.

"Nossa expectativa é que os preços caiam um pouco no pique da safra. Por isso, vamos usar nossa produção como estoque regulador. Mas o certo é que dificilmente teremos preços tão baixos como em anos anteriores. O mercado já começou a reagir no final do ano passado e a tendência é que se mantenha. Não existe milho estocado o suficiente para atender a demanda", justificou.

Mercado

O diretor da Céleres Consultoria, Leonardo Sologuren, disse que só dois fatores poderiam alterar de forma significativa o cenário que se desenha para o milho brasileiro. O primeiro deles seria uma produtividade extraordinária dos Estados Unidos, na safra que começa a ser plantada em maio. A outra é uma safrinha cheia no Brasil, que poderia gerar uma grande oferta do produto.

"O consumo mundial de milho cresceu muito e os estoques reguladores são os mais baixos dos últimos 30 anos. Uma situação que mexe com toda a cadeia e todas as regiões produtoras", comentou. A expectativa é que o Brasil colha nesta safra algo em torno de 6 milhões de toneladas, contra 4 milhões de toneladas no ano passado.

"Com o aumento da demanda pelo grão, o Brasil caminha para ocupar um grande espaço no mercado internacional. Com o aumento das exportações, Estados produtores que não são exportadores, como Minas Gerais, por exemplo, vão ganhar espaço no mercado interno, mantendo igualmente aquecido os preços do milho", concluiu Leonardo Sologuren.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink