Tecnologia

Conectividade e padronização na agricultura serão discutidas no encontro Summit AgriHub

Evento reunirá produtores rurais, comunidades AgTech, startups, investidores, universidades e institutos de pesquisas
490 acessos

O Brasil possui 59% de usuários de internet conectados, segundo dados da União Internacional de Telecomunicações (UIT). Mas como se dá atualmente a conectividade? Como estão as conexões no campo? E como estão sendo desenvolvidas tecnologias de padronização das máquinas e equipamentos agrícolas? Esses questionamentos serão abordados no painel “Conectividade e padronização, como está se construindo o futuro?” durante o encontro Summit AgriHub que ocorrerá de 18 a 19 de abril, no Cenarium Rural, em Cuiabá-MT.

O evento reunirá produtores rurais, comunidades AgTech, startups, investidores, universidades e institutos de pesquisas. A programação está dividida em quatro fóruns que irão acontecer no dia 18 de abril: Rede de Fazendas Alfa, Fundos de Investimento, Pesquisa e Desenvolvimento e Comunidades. No dia seguinte (19/04) haverá uma Conferência para reunir todos os participantes do primeiro dia do evento e outros convidados.

O painel sobre conectividade será parte do Fórum Rede de Fazendas Alfa, das 10h30 às 12h, e terá como mediador o médico-veterinário Adolfo Petry. Ele também é produtor rural, especialista em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e diretor do Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis.

Como o assunto é tecnologia e conectividade, o painel vai trazer o presidente da Associação Brasileira da Internet das Coisas (Abinc) Flávio Meda. Segundo ele, a Internet das Coisas (IoT) é uma rede que permitirá avançar o setor agropecuário de Mato Grosso com a redução de custos, aumento de produtividade e maior precisão de informações para a tomada de decisão. “A ideia é que, além de fomentar esse mercado de tecnologias para ajudar o produtor rural a melhorar a gestão na propriedade e a produtividade, que seja referência em Internet das Coisas na agricultura brasileira”, pontuou Maeda.

A Internet das Coisas é uma revolução tecnológica que tem como objetivo conectar itens usados do dia a dia à rede mundial de computadores. Eletrodomésticos, meios de transporte, roupas, entre outros produtos, estão surgindo conectados à internet e a outros dispositivos, como computadores e smartphones. A tendência é que, cada vez mais, o mundo físico e o digital se tornem um só, por meio de dispositivos que se comuniquem uns com os outros, os data centers e suas nuvens.

Segundo o presidente da Abinc, a Internet das Coisas pode ajudar a solucionar o problema de conectividade, seja de linha telefônica móvel ou internet, de grande parte dos municípios de Mato Grosso.

A Internet das Coisas também promete, além de superar as dificuldades de infraestrutura e conectividade, adaptar as aplicações da tecnologia para a realidade da região.

O engenheiro-agrônomo, especialista em Gestão em Agronegócio pela FGV e presidente para a América Latina na AgGateway Global Network, José Alexandre Loyola, e o engenheiro eletrônico especialista em Engenharia de Sistemas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e consultor da Softex, Jorge Bittar, também farão parte deste painel.

Loyola abordará os desafios da AgGateway de promover a Agricultura Digital ao redor do mundo. A AgGateway é uma entidade que nasceu nos Estados Unidos em 2005 e reúne empresas fabricantes e entidades ligadas ao agronegócio no segmento de máquinas e equipamentos agrícolas, irrigação, defensivos agrícolas, sementes, fertilizantes, tradings e agricultura de precisão. A iniciativa reúne a grande indústria de máquinas agrícolas com o objetivo de padronizar as aplicações e as conexões entre maquinários de diferentes fabricantes.

Jorge Bittar, da Softex, é responsável por um estudo de conectividade em banda larga que está sendo desenvolvido no município de Campo Novo do Parecis e entorno. Segundo ele, a região é um retrato do que acontece em geral em Mato Grosso, ou seja, as redes de internet estão insuficientes para dar conta das necessidades das pessoas e das empresas, sobretudo do agronegócio. “Vou apresentar uma perspectiva de solução que traga possibilidade de internet de boa qualidade, com capacidade adequada de serviço na sede do município ou nas propriedades rurais, visando incorporar novas tecnologias no agronegócio que possam melhorar a produtividade e qualidade dos produtos agrícolas”, explicou Bittar.

O projeto AgriHub é uma iniciativa do Sistema Famato, formado pela Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT) e Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Como participar – O evento Summit é destinado para convidados. Entre eles estarão produtores rurais, investidores, comunidades AgTech, startups e representantes de universidades e institutos de pesquisa. Mais informações pelo telefone (65) 3928-4421 ou pelo site www.agrihub.org.br. Os interessados podem enviar e-mail para eventos@famato.org.br.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink