Conselho de Agrometeorologia prevê chuvas abaixo da média para os próximos três meses no RS

Agronegócio

Conselho de Agrometeorologia prevê chuvas abaixo da média para os próximos três meses no RS

Prognóstico para os próximos três meses é de precipitação abaixo do padrão
Por:
1370 acessos

Prognóstico para os próximos três meses é de precipitação abaixo do padrão

A temperatura da superfície do mar no Pacífico Equatorial Central permanece com aumento nas anomalias negativas, indicando que a circulação atmosférica manterá a redução da umidade sobre o Rio Grande do Sul para os próximos meses. É o que aponta o último boletim trimestral divulgado nesta terça-feira (4) pelo Conselho Permanente de Agrometeorologia Aplicada do Estado do Rio Grande do Sul (Copaaergs), coordenado pela Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro).

O prognóstico para os próximos três meses é de precipitação abaixo do padrão, por causa da regularidade das massas frias juntamente com a redução de umidade, especialmente nos meses de outubro e novembro. O predomínio de massas com menor umidade também causará maior amplitude térmica diária ao longo da primavera. O boletim prevê noites um pouco mais frias e tardes um pouco mais quentes, especialmente entre o começo e meio da primavera.

O documento, além de apresentar as previsões de precipitação e temperatura para o trimestre, também relaciona uma série de orientações para os agricultores de diversas culturas adotarem no período. Todas as indicações são baseadas nos dados obtidos pelas instituições relacionadas à agricultura e meteorologia no Estado, como a Fepagro, a Emater/RS-Ascar e o Irga.

Orientações específicas

Culturas de outono/inverno

  • Considerando o prognóstico climático de precipitação abaixo da media no período, monitorar a ocorrência de pragas e doenças e observar se há a necessidade de aplicações de defensivos agrícolas.

Arroz

  • Considerando a possibilidade de redução de chuvas nos próximos meses, os produtores devem ficar atentos para a questão da captação e armazenamento de água;
  • Dentro do possível, dar continuidade à adequação das áreas destinadas à lavoura para próxima safra, principalmente às atividades de preparo e sistematização do solo e drenagem, para possibilitar a semeadura na época recomendada pelo zoneamento agrícola;
  • Proceder a semeadura em razão do ciclo da cultivar, primeiro as de ciclo longo, seguidos das de ciclo médio e precoce;
  • Para semeaduras até meados de outubro, quando a temperatura do solo for baixa, atentar para que a profundidade da semeadura não seja superior a dois centímetros, a fim de evitar redução no estande de plantas e a consequente desuniformidade no estabelecimento inicial da cultura.

Milho e feijão

  • Iniciar a semeadura quando a temperatura do solo, a 5 cm de profundidade, estiver acima de 16°C e houver umidade adequada do solo;
  • Escalonar a época de semeadura e utilizar genótipos de diferentes ciclos;
  • Tratando-se de plantio direto, fazer o manejo de culturas de inverno voltadas para a proteção do solo;
  • Considerando o prognóstico de baixa precipitação, irrigar se possível. Dar preferência à irrigação nos períodos críticos da cultura, floração e enchimento de grãos.

Soja

  • Fazer o manejo de culturas de inverno voltadas para a proteção do solo;
  • Iniciar a semeadura quando houver umidade adequada do solo;
  • Considerando o prognóstico de precipitação abaixo da normal (estiagem), promover a irrigação nos períodos críticos da cultura (florescimento – enchimento de grãos);
  • Para o cultivo da soja em terras baixas – solos mal drenados – a drenagem é indispensável.

Hortaliças

  • Quando necessário irrigar, dar preferência ao sistema de gotejamento;
  • Em ambientes protegidos (túneis e estufas), proceder a abertura o mais cedo possível no lado contrário ao vento;
  • Indica-se a produção de mudas em ambiente protegido no sentido de garantir sua qualidade.

Fruticultura

  • Promover o manejo da vegetação em pomares com coberturas verdes, de forma que propicie a cobertura morta na projeção da copa das frutíferas para proteger o solo;
  • Realizar o monitoramento e manejo fitossanitário de pragas e doenças.

Silvicultura

  • Adequar o manejo florestal, considerando a possibilidade de temperaturas mínimas e precipitação abaixo da média climatológica.

Forrageiras

  • Considerando o prognóstico de precipitação abaixo da média climatológica, adequar a lotação animal à disponibilidade de pastagens.

Piscicultura

  • Considerando o prognóstico de precipitação abaixo da média, o produtor de peixes deve perseguir a manutenção do nível de água do viveiro.

O Boletim Copaaergs completo para o próximo trimestre está disponível neste link.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink