Cacau

Consumo de produtos derivados do cacau recuou 1,4% no Brasil em 2017, diz INTL

O total do ano anterior foi 180 mil toneladas de cacau em amêndoas
Por:
43 acessos

O consumo aparente de produtos secundários derivados do cacau no Brasil recuou 1,4% em 2017, totalizando 147.538 toneladas de pasta, manteiga e pó, ou o equivalente a cerca de 180 mil toneladas de cacau em amêndoas. “A redução do consumo de secundários pela indústria alimentícia brasileira teve grande impacto no comércio exterior, reduzindo as importações dos ingredientes em 21,7% no ano”, diz o Analista de Mercado da INTL FCStone, Fábio Rezende.

Exportações de cacau

No total, foram compradas no mercado externo 20.381 toneladas, das quais 10.016 toneladas de pasta (variação de -33,0%) e 10.215 toneladas de pó (-4,9%). As exportações brasileiras também recuaram, embora em menor volume, para 59.901 toneladas, 1,1% a menos que em 2016. Foram vendidas ao mercado externo 7.059 toneladas de pasta (-9,5%), 30.481 toneladas de manteiga (-0,8%) e 22.361 toneladas de pó (+1,4%) em 2017.

Produção de cacau

Já no lado da produção, que apresentou tendência oposta, estima-se que os processadores brasileiros tenham totalizado 187.058 toneladas de secundários em 2017, refletindo um avanço anual de 1,5%. O cenário econômico interno se encontra mais favorável, de acordo com as estimativas do mercado, o produto interno bruto (PIB) brasileiro deve ter crescido 1,0% em 2017, contra um recuo de 3,5% em ano anterior, encerrando, portanto, a recessão econômica. Na média do ano, o índice de confiança da indústria, aferido pelo IBRE/FGV, subiu 12,5% para 92,5 pontos.

Cacau em 2018

Em 2018, a recuperação econômica deve ganhar robustez, com o mercado projetando um crescimento do PIB de 2,7% no ano, de acordo com o boletim Focus do Banco Central. Varejistas também reportam aumento nas vendas e maior procura por chocolates e doces, bens cujo consumo final está bastante associado à renda. “Espera-se que a demanda dos ingredientes pasta, pó e manteiga de cacau pela indústria alimentícia brasileira reverta a tendência e registre um avanço no ano corrente”, diz o Analista Rezende.

 

 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink