Controle biológico mais eficiente

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
Imagem: Fundecitrus
FUNDECITRUS

Controle biológico mais eficiente

Novo protocolo para liberação da Tamarixia radiata considera a disposição das árvores para favorecer o parasitismo
Por:

Apesar do conhecimento das técnicas para produção em massa e da grande quantidade de vespinhas Tamarixia radiata produzida no Brasil para o controle das ninfas do psilídeo, a soltura era até então baseada em um protocolo desenvolvido no México que consiste na liberação de 100 vespinhas por ponto, em quatro pontos (distanciados a cada 100 metros) de um hectare, iniciando e terminando a soltura nas bordas do talhão.

Para adequar esse protocolo às condições do Brasil, um experimento foi realizado em um pomar em Itapetininga (SP), em uma pesquisa do mestrado do Fundecitrus, o MasterCitrus.

Foi avaliada a liberação de cinco quantidades diferentes de vespinhas: 200, 400, 800, 1.600 e 3.200 por hectare. Para cada uma delas, foram colocadas mudas de laranjeiras infestadas com 35 ninfas de psilídeo dispostas em círculos, com raios distantes 7,5, 15, 22,5 e 30 metros do ponto de soltura, localizado no centro de cada círculo.

Após dois dias, as ninfas presentes nas mudas mais distantes dos pontos de soltura (22,5 e 30 m) não foram parasitadas, independentemente da quantidade de vespinhas, o que indica que elas não percorrem essas distâncias.

Já em relação às quantidades de 800, 1.600 e 3.200 vespinhas/ha e distâncias de 7,5 e 15 m do ponto de liberação, o parasitismo foi crescente à medida que se aumentou a quantidade de vespinhas liberadas, mas decrescente conforme se distanciou do ponto de soltura: para o raio de 15m, 35% das ninfas foram parasitadas com a liberação de 226 vespinhas por ponto (3.200 parasitoides/ha). Mas, o maior controle de ninfas (aproximadamente 75%) ocorreu com a liberação de 57 vespinhas a cada 7,5 metros (3.200 parasitoides/ha).

Novo protocolo

A partir dos resultados, foi criado um novo protocolo para a liberação de Tamarixia radiata: 56 pontos, com 57 vespinhas/ponto, por hectare em pomares abandonados. Deve-se considerar também que as vespinhas abrangem um raio de 7,5 m, o que equivale a uma distância somada de 15 m entre os pontos de liberação.

Já em áreas urbanas, como chácaras e quintais, deve-se verificar a disposição das plantas de citros e/ou murta. Se estiverem aglomeradas a uma distância de até 7,5 m, deve-se liberar 57 vespinhas na planta central. Se estiverem mais espaçadas, deve-se liberar 57 vespinhas por árvore.

Novos experimentos serão realizados nas demais regiões do cinturão citrícola para otimizar ainda mais as liberações. Contudo, o novo protocolo já está sendo adotado pelo Fundecitrus e por outras unidades produtoras.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink