Cooperativas distribuem R$ 1 bi em sobras aos associados em SC

Imagem: Pixabay

SOBRAS

Cooperativas distribuem R$ 1 bi em sobras aos associados em SC

Importância econômica e social das cooperativas catarinenses ganha realce
Por:
226 acessos

A importância econômica e social das cooperativas catarinenses ganha realce nesse estágio em que a pandemia do novo coronavírus atinge todos os setores da atividade profissional e empresarial. As cooperativas distribuíram nesse ano – em razão das receitas totais obtidas no ano passado – cerca de 1 bilhão de reais aos associados. A informação é da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (OCESC).

De acordo com levantamento da OCESC, as 254 cooperativas obtiveram em 2019 uma receita operacional bruta de 40,7 bilhões de reais. Esse faturamento permitiu um resultado anual de 2,4 bilhões de reais em sobras, ou seja, lucro, no jargão jurídico das cooperativas.

Desse montante, parte foi capitalizado nas cooperativas e cerca de 1 bilhão de reais foram distribuídos aos associados.

O presidente Luiz Vicente Suzin realça que a maior parte dos 2,7 milhões de catarinenses cooperados (associados de cooperativa) foi beneficiada com essa distribuição de sobras, injetando dinheiro em muitos setores da economia catarinense. “Esse dinheiro foi creditado nas contas dos associados e está disponível para consumo, investimentos, aplicações ou pagamento de contas”, assinala o dirigente.

As cooperativas são organizações humanas inspiradas em princípios da conjugação de esforços com objetivos econômicos. Por isso, os ramos que maior volume de sobras distribuiu foram agropecuário e crédito, notabilizadas pelos seus vastos quadros sociais. As 47 cooperativas agropecuárias reúnem 72,5 mil associados; as 61 cooperativas de crédito têm 1,9 milhão de associados.

A distribuição das sobras na proporção direta do esforço de cada associado é uma das faces positivas do cooperativismo, realça o presidente. Ele acredita que, no futuro, a sociedade brasileira adotará o cooperativismo como modelo de organização econômica e social como fizeram alguns países mais avançados. Estudos da Organização das Cooperativas Brasileiras comprovam que, nas regiões onde atuam, as cooperativas elevam o índice de desenvolvimento humano (IDH) em face das preocupações com a qualidade de vida dos colaboradores, cooperados e familiares, com o meio ambiente, com a redução da emissão de poluentes, com educação, saúde e lazer, dentre outras.

Lembra que Santa Catarina tornou-se paradigma nacional de eficiência e de cooperativismo. “É unidade da Federação brasileira com maior taxa de adesão ao cooperativismo.” A vocação para a inovação e o empreendedorismo são as qualidades mais proeminentes do cooperativismo catarinense, ao lado da observância dos princípios universais do cooperativismo. As cooperativas foram pioneiras no desbravamento das regiões, na instalação de centros de produção e na transferência de tecnologia.

Luiz Suzin mostra que o cooperativismo catarinense não está imune às crises, mas tem tido a habilidade necessária para enfrentá-las mantendo a sustentabilidade dos negócios e a viabilidade dos diversos ecossistemas, clusters e cadeias produtivas. “Também não está imune ao desgaste que as deficiências infraestruturais causam, sofrendo pela falta de investimentos para melhorar a logística de transporte, rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, armazéns e comunicação”, conclui.

 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink