Cooperativas do RS buscam solução na integração

Agronegócio

Cooperativas do RS buscam solução na integração

A união de esforços é uma das armas das cooperativas para conquistar o associado
Por:
26 acessos

As fusões que marcaram o mundo dos negócios nos últimos anos chegam, agora, ao cooperativismo de laticínios. A chegada de grandes empresas ao mercado gaúcho e sua influência na bacia leiteira gaúcha está fazendo com que as cooperativas juntem forças para atuar de forma integrada. Esta é uma das frentes de trabalho da recém criada Câmara Temática do Leite do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado (Ocergs). A união de esforços é uma das armas encontradas pelas cooperativas para conquistar a fidelidade do associado.

O que as cooperativas temem é que os produtores, motivados pela elevação do preço do produto, optem por fornecer diretamente para as indústrias. "É uma concorrência predatória", afirma José Mário Hanfen, presidente da Câmara Temática do Leite, que promoveu um seminário para tratar do futuro do cooperativismo nesta semana, na Capital.

Segundo ele, as fusões são um dos caminhos para fortaceler o setor e evitar uma futura crise. Desta forma, argumenta ele, as cooperativas poderão evitar gargalos da atividade e também terão melhores condições de negociar o produto.

O primeiro passo neste processo é a conscientização do produtor, afirma. Está sendo feito um trabalho com lideranças para mostrar os benefícios das cooperativas, como a assistência técnica, melhoramento genético e profissionalização. "Não queremos só que o cooperativismo sobreviva, mas que ele se desenvolva", defende Hanfen.

Entre as alternativas avaliadas estão a possibilidade de unificar marcas, criar um selo de qualidade e reorganizar a coleta e o transporte do produto. Para o tesoureiro da Fetag, Amauri Miotto, o cooperativismo e o associativismo são a forma de a agricultura familiar sobreviver no mercado. De acordo com ele, só assim é possível conseguir poder de barganha para competir em um mercado acirrado como é o do leite. "Há possibilidade de reorganizar a cadeia dentro das cooperativas", acredita.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink