Coopercentral Aurora inaugura nova indústria de leite

Agronegócio

Coopercentral Aurora inaugura nova indústria de leite

A planta tem capacidade de processamento de 2,2 milhões de litros/dia
Por: -Janice
1329 acessos
A Coopercentral Aurora (Aurora Alimentos) – um dos maiores conglomerados agroindustriais do país – anunciou para 2 de julho, Dia Internacional do Cooperativismo, a inauguração de uma das maiores e mais modernas indústrias de produtos lácteos do país. A planta está instalada à margem da BR-282, no município de Pinhalzinho (SC), com capacidade de processamento de 2,2 milhões de litros/dia e investimentos totais da ordem de 180 milhões de reais.

A solenidade está prevista para as 9 horas da manhã na presença de lideranças nacionais.

A Coopercentral Aurora iniciou a implantação da indústria de processamento de leite no primeiro trimestre de 2007. A área total construída soma 50.000 metros quadrados, sendo 35.000 m2 somente de instalações industriais. Apesar da elevada automação empregada, a planta gera 420 empregos diretos e cerca de 1.000 indiretos.

As máquinas e equipamentos para processamento de leite representaram 50% dos investimentos, com destaque para a Tetra Pak que, mediante aquisições superiores a 70 milhões de reais, forneceu os mais avançados sistemas de recepção, pasteurização, processamento e envase e está presente em todas as fases industriais. O projeto foi concebido e desenvolvido em parceria Aurora/Tetra Pak: os equipamentos foram fornecidos pela multinacional sueca da recepção da matéria-prima ao processamento integrado de leite longa vida, leite em pó, soro em pó e queijos.

A plataforma de automação da Tetra Pak adotada pela Coopercentral permite total rastreabilidade da produção de leite, garantindo o cumprimento dos mais rígidos critérios de segurança alimentar, habilitando os produtos Aurora e Aurolat para os mais rigorosos mercados internacionais. “A unidade é uma das maiores da América Latina e uma das mais modernas do mundo”, afirma o presidente da Aurora, Mário Lanznaster.
A indústria emprega um avançado sistema de captação de água no rio Saudades, com reservatório com 36 milhões de litros para utilização em limpeza e higienização, tratamento e ejeção, que garante os 150 mil litros/hora necessários para o ciclo industrial.

A nova unidade industrial opera com alto padrão tecnológico e sanitário, atendendo aos requisitos para exportação.

RECONSTRUÇÃO

Logo após entrar em operação, antes mesmo de ser inaugurada, em 30 de abril de 2009, um incêndio destruiu o principal núcleo de industrialização – fabricação de queijos, sala de fatiamento, câmara de estocagem, concentração de soro, pasteurização de leite e elaboração de requeijão e manteiga, almoxarifado e sala de embalagens – e consumiu uma área de 4.000 metros quadrados.

A reconstrução teve início em setembro de 2009. A área total reconstruída é de 4.900 m². Esse prédio abriga a pasteurização/padronização de leite (dois pasteurizadores, duas degerminadoras e duas padronizadoras de leite) com capacidade de processamento de 90 mil litros de leite por hora. Também funciona ali a fabricação de queijo mussarela (quatro tanques de fabricação de 16 mil litros cada). O fatiamento de queijo mussarela e queijo prato com uma linha de fatiamento com capacidade de 1,2 tonelada/hora, toda automatizada, instalada com sistema de termoformagem e injeção de gás inerte.

Nesse local é elaborada manteiga, requeijão e nata e processado o soro de leite em duas linhas, sendo uma osmose reversa (para produção de soro em pó comum) e uma nanofiltração (para produção de soro em pó parcialmente desmineralizado) ambas com capacidade de 20 mil litros/hora. Nesse prédio estão, ainda, almoxarifados de insumos, embalagens e materiais.

O núcleo reconstruído produz, diariamente, 40 toneladas de queijo mussarela; 7 toneladas de queijo fatiado; 3,5 toneladas de requeijão; 6 toneladas de manteiga e 2,5 toneladas de nata.

A reconstrução custou 42 milhões de reais e o setor emprega 162 trabalhadores.

LEITE EM PÓ E SORO EM PÓ

A indústria de lácteos Aurora de Pinhalzinho adota o mais alto nível tecnológico disponível para o processo de “secagem” da matéria-prima para produção de leite e soro em pó. Foi instalado um sistema de pasteurização e padronização de leite que inclui concentração de leite pelo sistema de MVR (otimização do aproveitamento de energia), Spray Dyer e fluidizador horizontal.

A fábrica adota o sistema de transferência pneumática do pó para a área de envase, instalada dentro dos mais rigorosos padrões de qualidade, que inclui peneiras e detectores de metais. A linha da fabricação é dotada de robô para a paletização dos sacos de 25 Kg. Possui ainda duas linhas de envase para fracionamento em embalagens de 200g, 400g ou 1 Kg.A área de secagem produz leite em pó integral e desnatado convencional, leite em pó integral e desnatado instantâneo e leite em pó integral enriquecido com vitaminas A e D instantâneo. Também produz soro em pó comum e parcialmente desmineralizado, ambos para uso como ingredientes nas indústrias de biscoitos, chocolates, achocolatados etc. Esse setor absorveu 90 milhões de reais, emprega 82 trabalhadores e gera 75 toneladas/dia de leite em pó e 44 toneladas em soro em pó.

As informações são de assessoria de imprensa.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink