Cooplantio recebe homenagem por projeto de sustentabilidade

Agronegócio

Cooplantio recebe homenagem por projeto de sustentabilidade

O evento foi realizado pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e pelo Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul (OCERGS) em Porto Alegre
Por:
1964 acessos
A Cooplantio - Cooperativa dos Agricultores de Plantio Direto – recebeu, nesta sexta-feira (30), um prêmio de destaque em sustentabilidade. O evento foi realizado pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e pelo Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul (OCERGS) em Porto Alegre.

A homenagem foi concedida ao projeto “A Cooplantio e o plantio direto na sustentabilidade da produção de grãos no Sul do Brasil”, que começou a ser implantado ainda nas décadas de 80 e 90. O objetivo era desenvolver o plantio direto como base de boas práticas agrícolas na produção de arroz, soja, milho, trigo e feijão, além de criar a mentalidade de que a rentabilidade na produção de grãos é proporcional ao conhecimento aplicado por hectare.

A justificativa para o projeto era que o intenso preparo de solo com arados e grades, o consumo de combustível, a erosão da terra fértil e a necessidade de reposição de fertilizantes tornavam o modelo de agricultura insustentável.

Saiba mais:
Antes do projeto, as práticas de manejo de lavouras tinham como base a aração de solo, sucessivas gradagens e a manutenção de terraços com o consumo de 37 a 50 litros de diesel por hectare (por safra). O uso de tratores consumia de 3 a 5 horas por hectare apenas para tracionar arados e grades na preparação do solo, para a implantação de cada cultura. As perdas da camada mais fértil do solo foram calculadas em experimentos e estimadas em 22 toneladas, por hectare, todo o ano. Além da erosão, as consequências imensuráveis no assoreamento de rios, barragens e na dinâmica da fauna aquática.

Com a adoção do plantio direto, houve redução de mais de 90% nas perdas de solos férteis por erosão. A redução no consumo de combustível, deixando de arar e gradear o solo, é estimada entre 37 e 50 litros por hectare para cada cultura.
O arroz, por exemplo, na década de 1980 consumia em torno de 3900 litros de água para produzir 1 kg de grãos. Com a adoção do plantio direto, cultivo mínimo, altura e formato das taipas e aumento nos rendimentos de manejo com a genética de novas cultivares, na década de 2000 o consumo de água é de 1200 litros/kg.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink