Corte gera alerta no Irga

Agronegócio

Corte gera alerta no Irga

Conselheiros falam em desmonte, enquanto direção garante que serviços não serão prejudicados
Por:
282 acessos
Conselheiros falam em desmonte, enquanto direção garante que serviços não serão prejudicados


No ano em que atravessam uma crise de preços sem precedentes, os arrozeiros gaúchos também enfrentam a redução da verba repassada pelo governo estadual à principal entidade de defesa dos interesses técnicos e políticos do setor, o Irga. Nos primeiros cinco meses deste ano, o instituto deixou de receber R$ 9,1 milhões. Dos 22,6 milhões arrecadados com a Taxa de Cooperação e Defesa da Orizicultura (CDO) - R$ 0,40 por saca de 50 kg -, apenas R$ 13,5 milhões chegaram aos cofres da autarquia.


O montante se aproxima do total retido no caixa único estadual em 2010: R$ 12 milhões. A apropriação gera polêmica no Conselho Deliberativo, que já avalia uma forma legal para não pagar a tarifa criada justamente para sustentar o Irga. Desde a criação do Sistema Integrado de Administração de Caixa do Estado (Siac), em 1991, cerca de R$ 66 milhões foram contingenciados. Além disso, fator agravante, as diretorias administrativa, comercial e técnica seguem vagas. A Justiça determinou há mais de 60 dias o retorno dos titulares, exonerados em janeiro. De acordo com a Procuradoria-Geral do Estado, o retorno ainda não aconteceu porque a decisão do Tribunal de Justiça não foi oficiada.


A dificuldade financeira estadual é a justificativa do presidente do Irga, Claudio Pereira, para a redução de verba disponível. Contudo, ele garante que as áreas de pesquisa e assistência técnica não serão e nem estão sendo afetadas. "Vamos cortar gastos supérfluos." Ele acrescentou ainda que os cortes devem penalizar investimentos. Em análise na Secretaria da Fazenda (Sefaz), o plano de cargos e salários também não deve sair do papel em 2011. Na sexta-feira, há reunião com o secretário da Sefaz, Odir Tonollier, para obter informações sobre o próximo semestre. Pereira não acredita que o orçamento de R$ 56 milhões previsto para 2011 seja executado.


Conselheiros estão indignados e sustentam que há corte no custeio de atividades diárias. "Se o governo tirou poderes do Conselho, nada mais justo que ele sustente o Irga", diz Walter Arns, de Uruguaiana, referindo-se à reestruturação em curso. Para Ivo Lessa, a redução de verba é sinônimo de desmonte. "O Irga tem recebido recurso só para pagar a folha de pagamento. No momento que reduz repasse, desmonta a estrutura."

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink