Agronegócio

Cosan quer mercado externo

A empresa vai montar bases comerciais e até de produção fora do Brasil
Por: -Redação
1 acessos

O usineiro Rubens Ometto, controlador do grupo Cosan, se incomoda quando é chamado de megalomaníaco ou visionário. Na sua cabeça, ele é apenas um homem muito planejado. Mas os planos do dono da maior usina de açúcar e álcool do mundo são, no mínimo, ousados. Nos próximos oito anos, ele pretende dobrar a sua já gigantesca capacidade de produção (40 milhões de toneladas/ano) e alcançar 20% das vendas de açúcar e álcool do país.

Para atingir essa meta, a Cosan vai abrir uma nova frente de crescimento. Além de continuar comprando outras usinas, o que lhe deu uma forte musculatura até aqui, a empresa vai montar bases comerciais e até de produção fora do Brasil

Usinas de álcool nos Estados Unidos e de açúcar na Índia, dois dos maiores produtores e consumidores mundiais, fazem parte do projeto de internacionalização da empresa, revelou Ometto. "Nos EUA, minha idéia não é nem ser muito grande. Se eu chegar grande, vou apanhar e perder dinheiro. E eu não gosto de perder", diz o empresário que aos 16 anos já vendia letra de câmbio em Piracicaba, interior de São Paulo. "Tenho certeza de que vamos ter oportunidades fora do Brasil."

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink