Cresce a produção goiana


Agronegócio

Cresce a produção goiana

Por:
1 acessos

Produtores aceleram a colheita da maior safra da

história de Goiás, que pode chegar a 10,5 milhões de toneladas. Soja precoce já praticamente toda colhida.

Na região Sudoeste de Goiás, a colheita da safra de verão avança, confirmando a tendência de que o Estado deverá ter este ano a maior safra de grãos e fibras de sua história. A previsão é que a produção fique entre 10,2 milhões e 10,5 milhões de toneladas. Só em soja, Goiás deverá colher entre 6 milhões e 6,2 milhões de toneladas. Quanto ao milho, pode chegar a 3,05 milhões de toneladas (2,1 milhões na safra normal e 950 mil toneladas na safrinha).

Nos municípios de Jataí, Serranópolis, Caiapônia, Montividiu, Mineiros, Chapadão do Céu e parte de Rio Verde praticamente toda a soja precoce já foi colhida e no seu lugar semeado o milho safrinha. De acordo com o presidente da Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (Comigo), Antônio Chavaglia, a produtividade da soja precoce vem apresentando rendimento entre 40 e 50 sacas por hectare, considerada boa.

Quanto ao milho de primeira safra, a colheita também já começou, mas em áreas pequenas plantadas em regiões onde choveu mais cedo. A produtividade também é boa, segundo Chavaglia. O rendimento varia de 100 a 120 sacas por hectare. Ainda esta semana, os produtores semearam milho safrinha em áreas de soja. Conforme o presidente da Comigo, a partir de agora não é mais aconselhável plantar esse grão, porque pode faltar umidade para que a lavoura tenha bom desempenho. A cultura mais recomendada para o período que vai até 15 de março é o sorgo, menos exigente em água.

Antônio Chavaglia informa que a comercialização segue em ritmo normal. De toda a soja a ser colhida este ano, cerca de 40% foram negociados antecipadamente. As operações foram fechados em dólar (média de 9 dólares por saca) ou em real. Alguns produtores prefixaram o dólar em R$ 2,75 (o que significa preço médio de R$ 24,75 a saca). Quem fez este tipo de negócio está deixando de ganhar dinheiro, porque a cotação da soja no mercado físico atualmente é de R$ 37,00 a saca. Outros fizeram vendas antecipadas em dólar, mas não prefixaram o valor.

Conforme Chavaglia, este é o jogo do mercado. Mesmo assim, a situação ainda é confortável, porque apenas parte da produção foi vendida. Os 60% restantes podem ser colocados no mercado físico, com a cotação do dia. A realidade, segundo o presidente da Comigo, é que o ano será bom para o produtor de soja. Quem antecipou vendas em real está recebendo o preço acertado na operação, variando de R$ 27,00 a R$ 28,00 a saca, em média.

Mesmo quadro positivo se repete em relação ao produtor de milho, que está recebendo R$ 20,00 pela saca de 60 quilos, livre de secagem e de Funrural. O mercado está firme e as oscilações de preço deverão ser mínimas, mesmo com a intensificação da safra nos meses de março e abril. Para Antônio Chavaglia, ainda que ocorram quedas leves durante a safra, a tendência é o milho ter boa cotação ao longo do ano, acima de R$ 20,00 a saca de 60 quilos.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink