Cuiabá sedia seminário sobre impactos das mudanças climáticas na agricultura
CI
Agronegócio

Cuiabá sedia seminário sobre impactos das mudanças climáticas na agricultura

Evento deve reunir fazendeiros, empresários, agricultores familiares, lideranças locais e indígenas
Por:

Quais serão os riscos e as oportunidades que as mudanças climáticas vão trazer para o Estado de Mato Grosso e a sua agricultura é o que tentarão responder os fazendeiros, empresários, agricultores familiares, lideranças locais e indígenas que vão se reunir com pesquisadores e especialistas no Seminário de Mudanças Climáticas, em Cuiabá, entre os dias 9 e 11 de setembro.

Realizado pelo Instituto Socioambiental (ISA) e Instituto Centro de Vida (ICV), em parceria com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema/MT), o seminário pretende discutir a contribuição do Estado para as modificações no clima e o impacto dessas mudanças na agricultura.

Voltado para atores sociais envolvidos com o agro-negócio, setor industrial, agricultura familiar e questões indígenas, o evento pretende gerar uma agenda comum de trabalho para avaliar os efeitos das mudanças no clima, propor atividades de mitigação e oportunidades de negócios.

– A agricultura têm forte peso na economia brasileira, somos uma potência biodiversa, mas com florestas, ecossistemas e regimes de chuvas vulneráveis ao aquecimento global. Se formos capazes de identificar as vulnerabilidades e trabalhá-las, não vamos ficar a mercê da mera contemplação do apocalipse – afirma Márcio Santilli, coordenador da Iniciativa sobre Mudança Climática do ISA.

O encontro será realizado no hotel fazenda Mato Grosso, onde serão abordadas questões como: o cenário nacional e mundial; os impactos das mudanças climáticas na agricultura; as emissões de metano pela pecuária e suas oportunidades; monitoramento de emissões de carbono; alternativas para a intensificação da produção agropecuária; desmatamento evitado; políticas públicas de incentivo à conservação pela agricultura familiar; e propostas de REDD - Redução das Emissões do Desmatamento e da Degradação, para Mato Grosso.

O encontro vai servir para subsidiar a política do Estado do Mato Grosso, bem como para marcar o início da participação popular no Fórum Estadual de Mudanças Climáticas, a ser lançado futuramente.

– Este diálogo é relevante por ampliar a transparência na construção dos instrumentos de gestão ambiental compartilhada. Será uma oportunidade única para que os parceiros da sociedade civil organizada discutam suas responsabilidades, avanços e metas a serem alcançadas. Tentamos antecipar as medidas para este cenário no estado mobilizando a sociedade para trabalhar junto com o governo – diz Luiz Henrique Daldegan, secretário de Meio Ambiente de Mato Grosso.

Para tratar destes temas com os grupos de trabalho, o evento irá contar com a presença de profissionais atuantes nos cenários regional, nacional e internacional. Estão entre eles o pesquisador Antonio Manzi, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa); Giampaolo Pellegrino, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, na unidade Embrapa Informática Agropecuária, que vai apresentar o estudo recentemente lançado avaliando os impactos na agricultura; e Magda Lima, que pesquisa na Embrapa as emissões de metano causadas pela pecuária.

– As mudanças no clima trazem riscos econômicos para o agronegócio em Mato Grosso, principalmente se o desmatamento continuar. Mas também existem oportunidades para termos desenvolvimento com valorização da floresta. O objetivo deste seminário é reunir atores sociais para definir estratégias conjuntas de mitigação dos impactos das mudanças climáticas e para aproveitar essas oportunidades – conclui Sérgio Guimarães, coordenador do ICV.

Especial para jornalistas

No dia 8, noite anterior ao encontro, o jornalista Marcelo Leite conversa com os profissionais da imprensa local e estudantes de comunicação sobre a abordagem dos temas relacionados às mudanças climáticas na mídia nacional e internacional.

Doutor em Ciências Sociais pela Unicamp, Marcelo Leite é colaborador do caderno Mais! do jornal Folha de S.Paulo, responsável pelo blog Ciência em Dia e autor de livros como: "Os alimentos transgênicos" (2000), "A floresta amazônica" (2001) e "O DNA" (2003), todos pela série "Folha Explica". De acordo com Marcelo Leite, a temática das mudanças climáticas é a pauta mais importante do jornalismo científico e ambiental.

– Se os efeitos que se projetam hoje para os próximos 10 ou 20 anos acontecer será o maior assunto jornalístico de maneira geral, mas também um dos mais difíceis de cobrir por duas razões. Primeiro, pela parte cientifica, pois é muito difícil prever o que vai acontecer com as florestas, os gases e cada um dos seus efeitos no clima. O outro ponto é o aspecto internacional do tema – resume o jornalista.

Segundo Leite, há 20 anos o IPCC está elaborando tratados políticos internacionais e os jornalistas precisam conhecer os documentos, ter a noção histórica para fazer reportagens relevantes e não ficar reproduzindo conceitos e confundindo mais do que explicando o que pode acontecer. Na sua opinião, a discussão nacional é muito mal encaminhada e ainda há falsas dicotomias, como meio ambiente versus desenvolvimento.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.