Culturas de cobertura beneficiam solos quentes e secos
CI
Imagem: Pixabay
ESTUDO

Culturas de cobertura beneficiam solos quentes e secos 

Os micróbios do solo são criaturas minúsculas que vivem e respiram em solo saudável
Por: -Leonardo Gottems

Normalmente cultivadas durante as estações quando as culturas primárias não são cultivadas, as culturas de cobertura podem incluir leguminosas como ervilhas, ou culturas herbáceas como aveia e cevada. As culturas de cobertura fazem mais do que cobrir os campos entre as estações de cultivo. Eles ajudam os solos a reter a água da chuva e reduzir a erosão eólica e hídrica. 

Em um novo estudo, pesquisadores da New Mexico State University e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos mostram que as culturas de cobertura podem melhorar a saúde do solo em uma região semiárida do Novo México. "Havia muito ceticismo sobre a eficácia das plantas de cobertura no ambiente quente e seco das planícies altas do sul", disse Rajan Ghimire. Ghimire é pesquisador da New Mexico State University. 

“Nossa pesquisa mostra que as lavouras de cobertura aumentaram a saúde biológica dos solos na área de estudo em dois anos”, diz Ghimire. Para determinar a saúde do solo, os pesquisadores mediram as emissões de dióxido de carbono do solo. Essas emissões foram maiores nas parcelas de teste da cultura de cobertura em comparação com as parcelas de pousio. 

Os micróbios do solo são criaturas minúsculas que vivem e respiram em solo saudável. O dióxido de carbono é liberado do solo durante a respiração microbiana das raízes das plantas e do solo. “Quanto maior a atividade biológica nos solos, maiores são as emissões de dióxido de carbono”, diz Ghimire. 

As parcelas estavam localizadas em Clovis, Novo México, cerca de 200 milhas a leste de Albuquerque. Ghimire e seus colegas testaram uma variedade de plantas de cobertura ao longo de duas safras. Eles também testaram combinações de plantas de cobertura, como o cultivo de ervilhas e aveia juntos. 

Parcelas com ervilhas sozinhas e uma combinação de ervilhas e canola mostraram as maiores emissões de dióxido de carbono do solo durante um dos anos de estudo. No entanto, a tendência das emissões não foi constante no segundo ano, dificultando a interpretação dos resultados. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.