Curso capacita na identificação de cavalos com anemia infecciosa no PR

Agronegócio

Curso capacita na identificação de cavalos com anemia infecciosa no PR

"Até o fim do ano pretendemos atingir todas as regiões do Estado com esta capacitação”
Por:
3573 acessos
A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e o Conselho Regional de Medicina Veterinária firmaram parceria para promover uma série de cursos sobre Resenha e Identificação de Equídeos, em diversas regiões do Estado. O primeiro acontecerá no dia 6 de junho, em Cascavel. Com aulas práticas e teóricas, o curso tem por finalidade capacitar os médicos veterinários da Divisão de Sanidade Animal, autônomos e responsáveis por laboratórios privados que atuam na identificação de animais com anemia infecciosa equina.


Os detalhes foram definidos pelo secretário da Agricultura, Norberto Ortigara, e pelo presidente do Conselho, Massaru Sugai. “O curso de Cascavel é o primeiro e todas as vagas foram preenchidas. Até o fim do ano pretendemos atingir todas as regiões do Estado com esta capacitação”, afirmou o chefe da Divisão de Sanidade Animal da Secretaria, Cláudio Cesar Sobezak.

A anemia infecciosa equina é uma doença infectocontagiosa provocada por vírus, que acomete equídeos e, aos poucos, provoca a destruição maciça de hemácias, levando o animal a um estado de completa inanição e anemia. Trata-se de uma doença de notificação obrigatória e todos os médicos veterinários podem realizar a coleta do material para teste e enviar para os laboratórios credenciados. No Paraná, além do Centro de Diagnóstico Marcos Enrieti (laboratório próprio da Seab), outros 12 estão autorizados a realizar os exames.

A doença é transmitida por meio do sangue infectado, de agulhas contaminadas, picadas de insetos, arreios e outros acessórios, e pelo sêmen durante o acasalamento. A doença não tem cura, e uma vez infectado, o animal torna-se portador permanente e passa a ser uma fonte de infecção para outros animais. A medida sanitária é o sacrifício do animal.


No Paraná, nos primeiros cinco meses deste ano foram registrados 18 casos da doença. Em 2010 foram 20 casos em todo o Estado, contra 77 em 2009. Hoje o rebanho estadual, cadastrado na Secretaria da Agricultura, é de 334.235 equídeos.

Como os cavalos nem sempre aparentam estar doentes, sempre é exigido de seus proprietários o Guia de Trânsito Animal e o exame negativo de anemia quando há o deslocamento dos mesmos, seja para participação em eventos ou para trânsito entre os estados.

Para a médica veterinária Pauline Sperka de Souza, responsável pela área de sanidade de equídeos do Departamento de Sanidade Animal, da Secretaria da Agricultura, o curso contribuirá para melhorar a técnica do profissional na hora de emitir a documentação dos animais. “Percebemos que alguns profissionais têm dificuldades para preencher os requerimentos de encaminhamento de material para o diagnóstico da doença e, às vezes, deixam de informar dados imprescindíveis para a análise do material”, explicou.

O Programa Nacional de Sanidade de Eqüídeos, exame de IDGA da anemia infecciosa eqüina, colheita de material e qualidade da amostra, e prática de identificação de equídeos com preenchimento de resenha são alguns dos temas a serem abordados nas aulas práticas e teóricas. O curso tem o apoio da Sociedade Hípica Paranaense.


CONTROLE – O Chefe da Divisão de Sanidade Animal da Seab, Cláudio Sobezak, lembra que a única maneira conhecida de controlar a transmissão da doença é a realização de testes laboratoriais para o diagnóstico de AIE. Isso tem que ser feito de maneira constante e permanente nas fazendas, haras, sociedades hípicas, jockeys clubes, e em todos os locais com concentração de equídeos.

Ele alerta os proprietários para que nunca comprem animais que não tenham atestados para o exame da AIE. E mesmo como exame negativo, é recomendado fazer um novo teste logo após a compra, pois pode ocorrer do animal estar em fase inicial de contágio.

Outra recomendação é para que nunca permitam a entrada de equinos estranhos em suas propriedades. No caso de coberturas só devem ser aceitos animais que tenham um exame negativo para a anemia infecciosa equina.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink