Decreto regulamenta programa paulista da agricultura de interesse social
CI
Agronegócio

Decreto regulamenta programa paulista da agricultura de interesse social

O programa, criado por meio da Lei 14.591, publicada no Diário Oficial de 15 de outubro de 2011, é uma ação que visa estimular a produção e garantir a comercialização dos produtos da agricultura familiar
Por:
O governador Geraldo Alckmin assinou, nesta terça-feira (24 de janeiro), no Palácio dos Bandeirantes, o decreto que regulamenta o Programa Paulista da Agricultura de Interesse Social (PPAIS). A secretária de Agricultura e Abastecimento do Estado, Mônika Bergamaschi, e da Justiça e da Defesa da Cidadania, Eloisa Arruda, participaram do evento.


O programa, criado por meio da Lei 14.591, publicada no Diário Oficial de 15 de outubro de 2011, é uma ação que visa estimular a produção e garantir a comercialização dos produtos da agricultura familiar. Com ele, o Estado se torna o principal comprador desses produtos, propiciando melhora na qualidade de vida dos que trabalham no campo. O PPAIS é voltado aos agricultores familiares tradicionais, assentados, quilombolas, indígenas e pescadores.

O governador informou que, no ano passado, foram comprados pelo governo estadual R$ 90 milhões em alimentos, daí a importância de priorizar essa parcela dos agricultores, para que possam crescer, ser eficientes e, principalmente, melhorar renda. "Ele fixa a família no campo, melhora sua qualidade de vida, distribui renda e rega a economia de São Paulo", comentou sobre o programa.

"É sabido que grande parcela dos alimentos consumidos no mundo vem da agricultura familiar e a maior angústia do pequeno produtor é justamente para acessar o mercado. A agricultura familiar é capaz de agregar técnicas e atender às demandas para melhorar a qualidade de vida dos agricultores", afirmou a secretária de Agricultura.


COMO FUNCIONA – Com o programa, no mínimo 30% das verbas estaduais destinadas à compra de alimentos deverão ser utilizadas para adquirir produtos oriundos da agricultura familiar, in natura e manufaturados.

Frutas, verduras, legumes e outros alimentos serão utilizados para a produção de refeições em órgãos estaduais como hospitais públicos, presídios, escolas e instituições de amparo social, entre outras.

Com isso, as famílias terão um novo incentivo para continuar investindo na terra e o governo passa a ter um canal direto para a aquisição de produtos de qualidade. Atualmente, cerca de 70% dos alimentos consumidos pela população brasileira são produzidos por agricultores familiares. Em São Paulo, eles somam aproximadamente 150.500 famílias.

Os agricultores tradicionais, indígenas e pescadores devem comparecer às casas de agricultura da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), órgão da Secretaria de Agricultura, e os assentados e quilombolas a qualquer escritório do Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp), da Secretaria da Justiça, e solicitar a expedição da Declaração de Conformidade ao PPAIS (DCONP), válida por quatro anos.

De posse do documento, precisam ficar atentos à abertura das chamadas públicas para aquisição de produtos. Os editais serão divulgados no Diário Oficial do Estado, em jornal de grande circulação local, regional ou estadual, ou na forma de mural em local público de ampla circulação, ou ainda por outros meios de comunicação.


Assinado o decreto, o programa aguarda a apreciação, por parte da Procuradoria Geral do Estado (PGE), do modelo de chamada pública que será utilizado em sua execução. Após a aprovação e apresentação, entrará em pleno funcionamento. A partir da assinatura do decreto, Cati e Itesp passam a realizar reuniões em seus escritórios regionais para explicar a técnicos e agricultores familiares os detalhes e as formas de ingresso no programa.

REQUISITOS – Pode participar do PPAIS o agricultor que se enquadre nos seguintes requisitos: não detenha, a qualquer título, área maior do que quatro módulos fiscais; utilize predominantemente mão-de-obra da própria família nas atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento; tenha renda familiar predominantemente originada de atividades econômicas vinculadas ao próprio estabelecimento ou empreendimento; tenha percentual mínimo da renda familiar originada de atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento, na forma definida pelo Poder Executivo; (redação dada pela Lei n.º 12.512, de 2011); dirija seu estabelecimento ou empreendimento com sua família.

A PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA – A Secretaria de Agricultura, por meio da Cati, participa desde o início da comissão gestora que trabalhou no decreto e lei que cria e conduz o PPAIS, trazendo para o programa o expertise de seu dia-a-dia de assistência técnica e extensão, especialmente no que diz respeito à organização no meio rural.


Durante a realização do Programa de Microbacias I, por exemplo, cerca de 500 associações foram fortalecidas ou constituídas. Essa organização será necessária também para o PPAIS, uma vez que dá a possibilidade ao produtor de organizar itens como produção e entrega de mercadorias, de vender a melhores preços, via associação ou cooperativa, afastando os atravessadores, e de criar alternativas para agregação de valor a seus produtos, para citar apenas alguns exemplos.

(Com informações da assessoria de imprensa da Fundação Itesp, Luiz Hidalgo Nunes Junior)

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.