ANÁLISE

Demanda mundial por trigo é sinal para o Brasil

Leste da África e Sudoeste da Ásia aumentam pedidos
Por: -Leonardo Gottems
828 acessos

Na visão do analista da T&F Consultoria Agroeconômica, Luiz Fernando Pacheco, a demanda mundial crescente por trigo deve servir como sinal pra que o Brasil invista nessa cultura com vistas à exportação, assim como já faz a vizinha Argentina. O especialista propõe, inclusive, que o País tenha um planejamento de longo prazo nesse sentido.

“Em nossa palestra na Expodireto, propusemos um plano de 10 anos para o aumento da produção no RS, direcionado à exportação, principalmente para o Leste da África e para o Sudoeste da Ásia, regiões onde o trigo gaúcho poderia ser competitivo por causa do frete, desde que garanta regularidade no fornecimento e tipo definido. Nesta semana, um artigo do analista Federico di Yenno, no Informativo Semanal da BCR desta semana, registra com muita precisão os avanços do trigo argentino no exterior, principalmente para as regiões por nós sugeridas, mostrando que há demanda latente e possibilidade de negócios”, sustenta. 

De acordo com o relatório da Bolsa de Cereais de Rosário, o preço FOB do trigo argentino subiu USD 15/tonelada na última semana, fruto da demanda externa mais forte do Brasil, Argélia e do Sudeste Asiático, juntamente com preços mais firmes nos mercados internacionais neste ano de 2018. Assim, a demanda se soma à incerteza climática da Argentina e dos EUA, que elevaram o preço da safra 2017/18. 

Segundo dados oficiais do INDEC (Instituto Nacional de Estatísticas e Censos) da Argentina, nos meses de dezembro de 2017 e janeiro de 2018 (primeiros meses da nova safra de trigo 17/18) as exportações de trigo argentino alcançaram 4,28 milhões de toneladas, um aumento de 300 mil toneladas ou 8% em relação a igual período do ano anterior. 

“Neste aumento tiveram um papel principal a demanda do Norte de África, Brasil e do Sudeste Asiático, para onde foram aumentados os embarques em 28 %, 18 % e 13 %, respectivamente, com relação a igual período da safra 16/17. Esta escalada no preço se evidenciou tanto no preço do trigo no mercado local, como nas demais praças ao redor do mundo. Isto nos dá a pauta de que, apesar dos incrementos anuais que continuam sendo registrados na produção a nível mundial, a demanda do cereal continua firme por parte dos países emergentes, como é o caso citado de Ásia e África”, conclui Yenno. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink