Demanda russa por carne já favorece indústria frigorífica em MS

Agronegócio

Demanda russa por carne já favorece indústria frigorífica em MS

Restrição da Rússia à compra de carnes da UE está gerando oportunidades para as indústrias de MS
Por:
1244 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.
A restrição da Rússia à compra de carnes da União Europeia e dos Estados Unidos em função da crise na Ucrânia aliada à decisão russa de abrir as importações de carne suína, bovina e de frango do Brasil com o credenciamento de 80 frigoríficos brasileiros já está gerando oportunidades de negócios para as indústrias sul-mato-grossenses.

De acordo com o presidente do Sicadems (Sindicato das Indústrias de Frios, Carnes e Derivados de Mato Grosso do Sul), Ivo Cescon Scarcelli, essa crise entre a Rússia, os EUA e a União Europeia favorece, sem dúvidas, as exportações de carnes do Estado, principalmente, com o aumento do número de plantas aptas a venderem para o mercado russo.

Apesar de as estatísticas oficiais ainda não revelarem, pois apenas em agosto entraram em vigor as medidas anunciadas pelo governo russo e o reflexo só será sentido a partir de setembro, o aumento da demanda da Rússia já sustenta os preços das carnes brasileiras, principalmente, de aves e suínos.

Atualmente, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems, de janeiro a agosto deste ano, a Rússia já é o principal destino do Complexo Frigorífico do Estado, respondendo por 31,9% dos US$ 819,4 milhões de receita de exportação total do grupo, enquanto, no mesmo período do ano passado, esse percentual era de 17,9% sobre receita de US$ 692,3 milhões.

Além disso, ainda de acordo com o Radar da Fiems, de janeiro a agosto deste ano, a receita das vendas para a Rússia chegou a US$ 261,4 milhões contra US$ 123,6 milhões do mesmo período de 2013, representando um crescimento de 111,4%, sendo que o volume também mais que dobrou, saindo de 31,6 mil toneladas para 64,7 mil toneladas, um aumento de 104,7%.

Ou seja, antes mesmo do início do embargo às carnes provenientes dos Estados Unidos e da União Europeia, as compras russas já lideram as receitas de exportação do Complexo Frigorífico do Estado, possibilitando prever que, a partir de setembro, a expansão será ainda mais expressiva.

"As sanções russas já favorecem o Brasil e o mercado responde bem. Em setembro, já notamos um aumento nas vendas em relação a agosto, quando foi aberto o mercado na Rússia para novos estabelecimentos”, comentou Ivo Scarcelli.

O gerente-geral da planta do JBS localizada na saída para Sidrolândia, Jair Azevedo, também compartilha da mesma opinião. “Já tínhamos detectado um aumento nas exportações no período de janeiro a agosto deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, mas, com as medidas anunciadas pelo governo russo, a partir de outubro, devemos registrar um crescimento maior, com a assinatura de novos contratos”, declarou.

Jair Azevedo acrescenta ainda que a previsão é de que essa alavancada no comércio de carne para a Rússia perdure por pelo menos mais uns 12 meses, contribuindo para o aumento nas exportações. “Esse aumento da demanda é temporário e deve durar o tempo do conflito da Rússia com a Ucrânia”, analisou.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink