Dendê: desenvolvimento para os pequenos produtores do TO

Agronegócio

Dendê: desenvolvimento para os pequenos produtores do TO

Estado desenvolve uma parceria com a Embrapa em Porto Nacional
Por:
1506 acessos
Produtividade, rentabilidade e sustentabilidade. Estas são apenas algumas das características da cultura da palma de óleo, mais conhecida como dendê, utilizada na agroindústria, para a produção de alimentos, no ramo de cosméticos e também na agroenergia, na produção de biodiesel. De olho no potencial e riqueza desta alternativa o Governo do Estado tem estudado a implantação da cultura no Tocantins, como forma de levar aos pequenos produtores mais desenvolvimento.


Segundo o secretário executivo da Secretaria da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Agrário (Seagro), Ruiter Padua, os estudos para a implantação da cultura têm recebido uma atenção especial e são uma aposta do Estado, já que a produção pode gerar milhares de novos postos de trabalho. “O dendê pode ser uma importante opção no futuro, principalmente para dar sustentabilidade à agricultura familiar e por sua variedade de usos. Pode ser uma oportunidade para o produtor se tornar independente e assim se fixar no campo”, destaca Padua, que enfatiza que o Estado tem feito parcerias em pesquisas para estudar a implantação irrigada da cultura.

“O Estado já desenvolve uma parceria com a Embrapa em Porto Nacional, onde há uma área experimental em que o dendê está sendo produzido. Neste momento estamos reestruturando a área e dependendo desses resultados o Tocantins pode se tornar um estado de referência na produção do dendê”, frisa o secretário. Padua lembra ainda que o Estado também pode se tornar um centro de difusão tecnológica no que diz respeito às técnicas de produção do dendê no cerrado, pois até então, havia o entendimento que o dendê só poderia ser cultivado em áreas quentes e úmidas, mas os resultados obtidos até o momento em terras tocantinenses demonstram que a produção é viável.

Pesquisas

O pesquisador da Embrapa Gustavo Campos, do núcleo de Sistemas Agrícolas da Embrapa Pesca e Aquicultura e responsável pelo experimento em Porto Nacional, destaca que o projeto é realizado em rede pela Embrapa Cerrados, e em unidades do Mato Grosso e Piauí. Segundo Campos ainda é cedo para falar dos resultados das pesquisas, mas as expectativas para o desenvolvimento da dendeicultura no Tocantins são as melhores.


“A produção está indo muito bem, tem surpreendido. O que já podemos dizer é que a produção tem sido tanto quanto a que se tem em regiões úmidas, mas é preciso aguardar os resultados da pesquisa, que devem começar a ser identificados no próximo ano, para apontar se a produção vai cobrir os gastos com a irrigação”, diz o pesquisador, ressaltando também que a demanda pelo produto é ampla no Brasil e no mundo. “O Brasil hoje importa o óleo de Palma e devido aos seus benefícios e riqueza em vitaminas a demanda no mundo aumenta a cada dia”, frisa.

Gustavo Campos destaca ainda que além de seu potencial industrial o dendê também pode ser utilizado em ações voltadas ao meio ambiente como o reflorestamento, por ser um cultivar perene. “Como é uma cultura perene, que o produtor planta e para ter o óleo ele precisa que a palmeira continue existindo, o dendê também pode ser utilizado no reflorestamento e nos programas de sequestro de carbono”, explica Campos.

Mapeamento

Além de trabalhar em parceria na produção de pesquisas o Governo do Tocantins, por meio da Seagro, também se prepara para realizar um mapeamento em todo o Estado com a finalidade de identificar as regiões com maior potencial para dendeicultura. De acordo com o diretor de Agroenergia da Seagro, Luiz Eduardo Borges Leal, este mapeamento será muito importante, pois por meio dele os produtores e indústrias interessados em trabalhar com a cultura no Tocantins poderão identificar o potencial de investimento.


“Com esse mapeamento poderemos apresentar aos produtores e também ao mercado os potenciais da nossa região. Com esses dados vamos casar indústria, mercado e produção. A intenção é elaborar um estudo criterioso do produto a fim de se constatar se a cultura é realmente viável e para que o produtor e o mercado tenham a certeza da garantia de seus investimentos”, afirma o diretor. Segundo Leal o mapeamento será realizado em conjunto com o Ministério da Agricultura, e através dele o Estado poderá traçar uma estratégia de desenvolvimento do dendê.

Desenvolvimento para o norte

De acordo com Leal inicialmente há a expectativa de implantar a cultura do dendê na região norte do Estado, nas pequenas propriedades do bico do papagaio. Apenas nesta região, que apresenta um clima aproximado do amazônico, cerca de 2.000 famílias poderiam trabalhar com o dendê. “Esta seria a região com clima mais aproximado do amazônico, no qual a produção do dendê se adapta melhor, mas com as pesquisas de produção irrigada a cultura poderá ser implantada em outras regiões. Vai depender do mapeamento de potencial de cada região”, destaca Leal.

O dendê

O dendê é uma fonte natural de vitamina E, tocofeiros e tocotrienois, que atuam como antioxidantes, sendo que em comparação com outros óleos vegetais, inclusive com o de soja que é o mais consumido, o óleo de dendê tem o maior teor de vitamina E. O óleo também é rico em vitamina A e apresenta maior teor desta vitamina que o tomate e a cenoura.


Em termos de rentabilidade na produção, em comparação com a soja, que produz em cada kg/ha 540 litros de óleo vegetal, o dendê produz em cada kg/ha 5.000 litros de óleo, destacando-se assim como a oleaginosa com maior potencial produtivo.

O óleo de dendê pode ser utilizado na produção de diversos produtos. No ramo alimentício destaca-se sua utilização para frituras, margarinas, maionese, gorduras vegetais, massa de sorvetes, macarrão instantâneo, biscoitos, achocolatados e outros. Na produção de não alimentícios o óleo também é utilizado na confecção de sabonetes e sabões, insumos para indústrias de PVC, velas, fármacos, cosméticos e biodiesel, entre outros.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink