Descapitalização do pecuarista é ponto de alerta por não haver investimentos

Agronegócio

Descapitalização do pecuarista é ponto de alerta por não haver investimentos

A dificuldade em obter crédito para investir na propriedade está sendo a maior dificuldade do pecuarista em MT nos últimos anos
Por:
681 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

A dificuldade em obter crédito para investir na propriedade está sendo a maior dificuldade do pecuarista mato-grossense nos últimos cinco anos, superando o conturbado cenário econômico do Brasil. Segundo o Panorama da Pecuária de Mato Grosso 2016, 50,2% dos pecuaristas mato-grossenses deixaram de realizar algum tipo de intensificação em suas propriedades.

O Panorama da Pecuária de Mato Grosso 2016 entrevistou 2.481 pecuaristas durante o Acrimat em Ação, através de uma parceria entre a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) e o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). O levantamento foi divulgado no início deste mês.

O levantamento revela que 50,2% dos 2.481 pecuaristas entrevistados não efetuaram algum processo de intensificação (investimento) em sua propriedade nos últimos cinco anos. O principal motivo para 45,6% foi à dificuldade na obtenção de capital, enquanto para 30,6% não houve necessidade e para 8,8% o fator para não investir foi o cenário interno conturbado.

“O ponto de alerta é que nós estamos passando por um processo de descapitalização muito forte e as pessoas tem muita dificuldade em acessar os recursos públicos. O ciclo da pecuária é muito longo e ele requer novas injeções de capitais antes do termino do pagamento desses financiamentos”, observa o presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), José João Bernardes.

O presidente da entidade representativa dos pecuaristas de Mato Grosso salienta que “é necessário que o governo reconheça essa particularidade e disponibilize recursos que possam ser efetivamente captados e aplicados na atividade”.

Conforme o Panorama da Pecuária, dos 48,5% pecuaristas que afirmaram terem feito algum tipo de intensificação nos últimos cinco anos 35,36% investiram em alimentação e nutrição, enquanto 27,72% em infraestrutura, 21,97% em reprodução e 13,30% em gestão.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink