Desempenho do frango (vivo e abatido) na 13ª semana de 2021, passagem de março para abril
CI
Imagem: Pixabay
PECUÁRIA

Desempenho do frango (vivo e abatido) na 13ª semana de 2021, passagem de março para abril

Frango abatido entrou em abril (apenas um dia de negócios) valendo 2,21% menos que em março.
Por:

Depois de encerrar março com um valor inferior ao de abertura do mês e obter incremento de preço que não chega a meio por cento, o frango abatido entrou em abril (apenas um dia de negócios) valendo 2,21% menos que em março.

Porém, neste mês, o que deve chamar a atenção de analistas econômicos e sobretudo dos grandes meios de comunicação é a variação anual de preços obtida tanto pelo frango abatido como pelo frango vivo. Que, no caso do abatido – e consideradas apenas as negociações do dia primeiro – gira em torno de 50% e, para o frango vivo (dois dias de negociações, 1 e 3), já supera os 60%.

Neste caso, poucos irão lembrar que, um ano atrás, no primeiro ato de isolamento social imposto pela pandemia, os preços do frango retrocederam a um dos mais baixos níveis da década. Ou seja: os índice são altos porque as bases são baixas. E como caem ainda mais no decorrer do mês (para o frango abatido, o fundo do poço foi registrado em maio), as diferenças irão aumentar com o avançar do mês.

Mas, voltando ao desempenho dos dois produtos na semana que passou, o que se observou é que a chegada da Páscoa não apresentou qualquer alteração na comercialização do frango abatido, que apenas deu breves sinais de estabilização entre o final de um mês e o início de outro.

Espera-se algo mais para esta semana, já que os salários começam a chegar ao mercado. No entanto, deve-se contar mais com reposição de estoques do que com a dinamização das vendas.

O frango vivo, por seu turno, segue com o preço estabilizado em R$4,70/kg, valor que chega ao trigésimo dia de vigência nesta terça-feira, 6 de abril. Ou seja: segue imutável às variações do frango abatido, o que pode indicar que sua oferta é limitada, sem excedentes. No entanto, isto sendo verdadeiro, qualquer melhora na comercialização do abatido deve abrir espaço para novos reajustes de preço.

Neste caso, não custa lembrar que já em fevereiro o custo levantado pela Embrapa Suínos e Aves já chegava aos R$4,89/kg. Como, de lá para cá, o custo só fez aumentar, os reajustes, mais do que necessários, são imprescindíveis.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.