Desempenho do frango vivo em novembro

AVICULTURA

Desempenho do frango vivo em novembro

Novembro foi encerrado com um valor que superou, apenas, o que foi registrado nos dois primeiros meses
Por:
101 acessos

Cotado, na média, por valor próximo de R$3,23/kg, o frango vivo comercializado no interior de São Paulo completou em novembro o sexto mês consecutivo de preços decrescentes.

É verdade que, no quadrimestre decorrido entre julho e outubro, sua cotação permaneceu inalterada em R$3,30/kg. Mas a inflação corrói diuturnamente os valores nominais. Assim, a cotação mensal aparentemente estável foi também decrescente.

Porém, independente disso, novembro foi encerrado com um valor que superou, apenas, o que foi registrado nos dois primeiros meses deste ano (até o valor alcançado em março, à primeira vista igual ao de novembro, foi ligeiramente superior).

Essa, porém, é uma questão de somenos. Porque, durante todo o transcorrer de novembro, grande parte dos negócios efetivados com a ave viva esteve sujeita a descontos que, na segunda metade do mês, chegaram a superar 20% da cotação então vigente. Ou seja: na prática, a remuneração recebida retrocedeu a valores (nominais) que não eram registrados desde os primeiros meses de 2018.

Ignorada essa circunstância, o frango vivo completou os 11 primeiros meses de 2019 com um valor médio – R$3,27/kg – quase 18% superior ao de idêntico período de 2018. Porém, o mais curioso a registrar é que – considerado o preço médio registrado no ano passado – retornou em novembro a, praticamente, o mesmo índice observado em sua curva de preços sazonal (média registrada nos 24 anos decorridos entre 1995 e 2018), fato demonstrado no gráfico inferior.

Tal fato, porém, apenas ressalta uma constatação: pelo menos no interior paulista, o frango vivo apresentou comportamento absolutamente oposto ao do boi e do suínos vivos e até mesmo da própria carne de frango, seu desempenho sendo totalmente desconexo em relação à valorização obtida pelas carnes no mês. Por quê?

Está claro que o frango vivo paulista deixou de ser aquele eficiente indicador de mercado (não só para a ave viva, mas também para a abatida), ao mesmo tempo em que deixa de ser referência para outros estados ou regiões do país. Porque, em essência, representa parcela mínima do que é abatida diariamente em São Paulo – resultado, apenas, do fortalecimento da produção integrada.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink