Documento para incentivo da cultura do trigo em MT será entregue ao governador
CI
Agronegócio

Documento para incentivo da cultura do trigo em MT será entregue ao governador

No próximo dia 30 deste mês, os representantes da Câmara estarão reunidos para finalizar o documento que será entregue para o governador Blairo Maggi.
Por:

Representantes da Câmara Técnica do Trigo estão elaborando um documento com as reivindicações dos triticultores para cultura do trigo, principalmente do irrigado, para o Estado de Mato Grosso. O extensionista da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Hortêncio Paro, comenta que no próximo dia 30 deste mês, os representantes da Câmara estarão reunidos para finalizar o documento que será entregue para o governador Blairo Maggi. A reunião será realizada na Secretaria de Desenvolvimento Rural (Seder), a partir das 8 horas.

Conforme Paro, a possibilidade de reabertura do moinho existente no Distrito Industrial, por meio de financiamento do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial do Estado de Mato Grosso (Prodeic), a presença dos pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no desenvolvimento de novas cultivares de trigo e o preço mínimo do trigo estabelecido em R$ 41,00 o saco de 60 quilos, permitindo uma rentabilidade de 30% a 40% para o produtor rural, são as principais reivindicações da categoria.

Visando baixar o custo da produção das lavouras irrigadas, o representante da Secretaria de Fazenda (Sefaz), Júlio Galvão Vieira apresentou para os membros da Câmara Técnica do Trigo o programa de incentivo de irrigação ditado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que reduz até 80% a tarifa de energia da propriedade rural. Conforme as regras da Aneel, os produtores podem ligar o pivô para irrigação nos horários estipulados, ou seja, a partir das 21 horas até às 6 horas.

Segundo Hortêncio, essa redução na tarifa vai beneficiar os produtores a ampliarem as áreas de produção. Como exemplo ele cita o município de Alto Taquari, que durante o ano de 2007, plantou 65 hectares de trigo e para este ano está programando plantar o dobro da área. “É necessário incentivar o cultivo de trigo já que Mato Grosso consome por mês, mais de 10 mil toneladas de farinha, conforme dados do Sindicato da panificação”, ressalta.

Além do consumo do produtor, o extensionista fala da opção de rotação de cultura com leguminosas, visando reduzir a ocorrência de doenças tais como: ferrugem asiática na soja e esclerotínea (doença branca), na soja e feijão. Reduzir o custo na cultura principal pelo menor uso de agrotóxico, eliminação de herbicidas pré-emergentes e a redução de fungicidas e de doenças nas culturas.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.