Dólar cai pelo segundo pregão seguido

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Pixabay
ECONOMIA

Dólar cai pelo segundo pregão seguido

"Logo na abertura, o preço perdeu o suporte que se encontrava em R$ 5,68"
Por: -Leonardo Gottems

O dólar fechou esta segunda-feira, dia 5 de abril, em queda de 0,77%, chegando a ser cotado a R$ 5,64 na mínima diária no Brasil, caindo, assim, pelo segundo pregão consecutivo em desvalorização frente ao real. As informações foram divulgadas nesta manhã pela consultoria AgResource Brasil. 

“Logo na abertura, o preço perdeu o suporte que se encontrava em R$ 5,68, vindo a operar abaixo das Bandas de Bollinger e distante das médias móveis de 9 e 20 períodos, demonstrando força por parte dos vendedora. Porém, ao se aproximar da mínima do dia, o preço se distancia das Bandas de Bollinger, em retorno às médias móveis, demonstrando exaustão por parte dos vendedores. No momento, o preço opera entre as médias móveis e distante das Bandas de Bollinger, o que pode demonstrar uma possível lateralização no curto prazo”, explica a consultoria. 

Nesse cenário, a AgResouce Brasil afirma que, para que o preço continue a operar em viés primário de baixa, devemos notar uma queda no IFR (Índice de Força Relativa) e um retorno as Bandas de Bollinger. “Caso o preço continue em tendência de baixa, o próximo suporte a ser testado se encontra em R$ 5,61 e caso sofra uma reversão em sua tendência, a próxima resistência a ser testada se encontra em R$ 5,68”, completa.  

No entanto, Tulio Portella, Diretor Comercial da B&T, afirmou ao SUNO Notícias que é muito difícil de acertar a direção do dólar. “É sempre difícil acertar alguma previsão de dólar. Poucos conseguem, e o resultado disso é contaminado pela aleatoriedade e de todo esse processo”, afirma. Ainda mais no Brasil, diz ele, que vem passando pelo pior momento da pandemia “e ainda temos um outro risco no ano que vem, que é o da eleição”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink