Duas enzimas explicam sensibilidade do trigo a solos salinos

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
ESTUDO

Duas enzimas explicam sensibilidade do trigo a solos salinos

"Podemos agora procurar variedades com melhor tolerância ao sal natural "
Por: -Leonardo Gottems

Cientistas da Universidade da Austrália Ocidental (UWA) descobriram duas enzimas que explicam a sensibilidade das plantas de trigo a solos salinos. A pesquisa descreve as duas enzimas do trigo que são especialmente sensíveis ao sal e parecem ser o elo fraco que leva à morte de plantas nesses ambientes. 

Os pesquisadores também descobriram que o trigo tem um sistema de defesa natural que pode evitar uma das enzimas sensíveis, protegendo parcialmente contra o sal. O sistema de bypass, chamado GABA shunt, permite que as plantas de trigo parem de usar uma de suas enzimas sensíveis ao sal quando estão ameaçadas por essas condições. No entanto, a resistência fornecida pela derivação de GABA também parece ser limitada e é dominada por solos especialmente salinos. 

O Dr. Nicolas Taylor, principal autor do estudo, disse que se eles conseguirem aprender como controlar a derivação de GABA, seu tempo e intensidade, "poderemos aumentar a resistência natural da planta de trigo ao sal, sem afetar o rendimento". Nessa linha, ele explicou que, se variedades geneticamente melhoradas pudessem ser obtidas, não apenas as perdas seriam reduzidas, mas também permitiriam que os agricultores usassem a terra que atualmente é descartada por ser muito salina para as culturas de trigo. 

"Ao entender exatamente como o sal está prejudicando as plantas de trigo, podemos procurar variedades com melhor tolerância ao sal natural e introduzi-las em programas de melhoramento", diz Taylor. A pesquisa, cujos resultados foram publicados no New Phytologist, foi liderada pela UWA e contou com a colaboração do Centro de Excelência em Energia Biológica de Plantas (PEB, por sua sigla em inglês) e da Universidade Nacional da Malásia. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink