Duas toneladas de sementes irregulares são apreendidas em Colinas

Agronegócio

Duas toneladas de sementes irregulares são apreendidas em Colinas

Técnicos da Adapec apreenderam duas toneladas de sementes de capim ilegais região noroeste do TO
Por:
701 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Técnicos da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) apreenderam duas toneladas de sementes de capim ilegais, nesta terça-feira, 15, no município de Colinas, região noroeste do Tocantins, a 274 quilômetros de Palmas. O motorista do caminhão, que no momento da operação estava descarregando a carga em um galpão, foi autuado em R$ 3,6 mil, já o material apreendido será encaminhado para destruição.

De acordo com o supervisor técnico da área vegetal de Colinas, Aires Lúcio Trindade de Carvalho, após denúncia anônima, as equipes foram para um galpão às margens da BR-153, onde se depararam com um caminhão descarregando as sementes de forrageiras irregulares e um receptor reembalando-as em outra sacaria supostamente normal. “A carga, que não tinha nota fiscal e nem documentação que comprovasse sua origem, seria comercializada no estado do Pará”, explicou.

De acordo com o gerente de Avaliação da Adapec, Alex Sandro Arruda Farias, sementes ilegais causam grandes prejuízos aos produtores rurais e expõe a lavoura ao disseminar pragas, além de não germinarem. “Alertamos aos produtores rurais que comprem sementes em estabelecimentos licenciados pela Adapec, que exijam a nota fiscal e o Termo de Conformidade, onde consta a origem do produto, lote, validade e demais informações necessárias”, ressaltou.

Para o presidente da Adapec, Humberto Camelo, essas ações visam combater a pirataria que é coisa séria, pois causa perda da produtividade e prejudica toda a cadeia produtiva do agronegócio. “A fiscalização tem sido realizada nas lojas agropecuárias, nas barreiras fixas e volantes, para impedir que produtos sem certificação sejam comercializados, com o objetivo de proteger o patrimônio fitossanitário tocantinense”, disse.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink