Edição busca uva de vinho sem pesticidas
CI
Imagem: Arquivo Agrolink
GENÉTICA

Edição busca uva de vinho sem pesticidas

A videira não tirou partido dos avanços no melhoramento de plantas
Por: -Leonardo Gottems

Um projeto desenvolvido pela Universidade de Udine com um programa de desenvolvimento de novas variedades de videiras resistentes ao oídio por meio da criação tradicional, ou seja, cruzamento e seleção, visa produzir uvas para vinho sem pesticidas e sem pragas. Michele Morgante (Ph.D), Professora de Genética Vegetal da Universidade, concedeu uma entrevista para a European Seed. 

“Começamos há 21 anos na Universidade de Udine com um programa de desenvolvimento de novas variedades de videiras resistentes ao oídio por meio da criação tradicional, ou seja, cruzamento e seleção. Posteriormente, em 2006, criamos um novo instituto de pesquisa, o IGA (Institute for Applied Genomics), que desempenhou um papel importante no sequenciamento do genoma da videira e continuou com a Universidade a desenvolver variedades resistentes a doenças, aproveitando as novas informações derivada da sequência do genoma”, diz ela. 

O principal problema, segundo ela, é que a videira, ao contrário de todas as outras grandes culturas, não tirou partido dos avanços no melhoramento de plantas ao longo do último século e continuou a usar castas antigas que eram extremamente sensíveis a doenças fúngicas. “Como resultado da oportunidade perdida de explorar mecanismos de resistência genética, a videira cobre apenas 3% da área agrícola, mas é responsável por 60% do uso de fungicidas de tratamento químico pesado para proteger as plantas dos fungos”, indica. 

“Cruzamos variedades de uva de vinho de elite, como Merlot, Cabernet Sauvignon, Sauvignon Blanc com as chamadas linhas de introgressão, ou seja, variedades resistentes que foram o resultado de várias rodadas de retrocruzamentos com variedades de elite de Vitis vinifera após um cruzamento inicial com espécies animais selvagens da América e da Ásia que carregam genes de resistência a doenças”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink