ELETRICIDADE

Eletricidade de biomassa pode suprir 70% das residências

Isso seria possível com o incremento da palha de cana
Por: -Leonardo Gottems
173 acessos

A eletricidade produzida a partir da biomassa poderia suprir 70% do consumo residencial brasileiro, de acordo com o Balanço Energético Nacional (BEN). De acordo com a pesquisadora Thayse Hernandes, isso seria possível com o incremento da palha de cana, considerando o potencial de geração excedente com a queima do bagaço, somada ao potencial de 50% da palha disponível no Brasil.

Atualmente esse insumo é responsável por 8% da eletricidade total gerada no Brasil (620 TWh em 2016), segundo a Empresa Brasileira de Pesquisas Energéticas (EPE). Thayse, que é do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) afirma que o uso da palha de cana-de-açúcar como matéria-prima poderia incrementar essa quantidade em cerca de 6%, gerando aproximadamente 100 TWh de eletricidade.

A pesquisadora é gestora executiva do Projeto Sucre (Sugarcane Renewable Electricity), que visa aumentar a oferta de energia elétrica com baixa emissão de gases do efeito estufa usando substratos da cana-de-açúcar. “Como output (resultado) deste projeto, começou-se a pensar na palha como possível complemento ao bagaço na geração de eletricidade, a partir da colheita mecanizada e da proibição da queima dos canaviais”, afirmou ela ao Portal da SNA (Sociedade Nacional de Agricultura).

“O setor se beneficiará de avaliações e soluções tecnológicas para o recolhimento, processamento e queima da palha, podendo, assim, aumentar o potencial de geração de eletricidade nas unidades. Como a nossa matriz depende fortemente do regime de chuvas, devido à predominância hidráulica na geração, a eletricidade produzida com o uso da biomassa da cana-de-açúcar tem potencial para diminuir o despacho de termoelétricas movidas a combustíveis fósseis, como o gás natural, já que o pico da safra e, portanto, a maior disponibilidade de biomassa, ocorre na época de estiagem (entre maio a outubro, no Centro-Sul)”, conclui.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink