Emater/RS-Ascar ensina como usar temperos em substituição ao sal

Agronegócio

Emater/RS-Ascar ensina como usar temperos em substituição ao sal

Mais de 20 mulheres de diversas comunidades rurais de Veranópolis participaram de uma Oficina de Sal Temperado
Por:
1241 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Na tarde desta terça-feira (08/11), mais de 20 mulheres de diversas comunidades rurais de Veranópolis participaram de uma Oficina de Sal Temperado, no horto de plantas medicinais na Fepagro Serra. Esta atividade é mais uma etapa do projeto socioassistencial desenvolvido pela Emater/RS-Ascar no município, e buscou incentivar o uso e a criatividade para variar e realçar o sabor dos alimentos, utilizando temperos que vão além dos tradicionais.

O objetivo do projeto socioassistencial é incentivar uma alimentação saudável, proporcionando às famílias participantes o acesso à informação e ao conhecimento para a produção orgânica das olerícolas e plantas medicinais, aromáticas e condimentares consumidas por elas, garantindo a segurança e soberania alimentar e promovendo a saúde por meio da produção de alimentos limpos e do preparo correto de alimentos saudáveis.

Na oficina, a extensionista social da Emater/RS-Ascar, Roseli Lazzarotti Bonesso, orientou sobre a redução da quantidade de sal no preparo dos alimentos e como se beneficiar das diferentes substâncias contidas nas plantas aromáticas e condimentares, que têm função importante para o organismo humano. "Na forma de temperos, elas contêm vitaminas, fibras e propriedades antioxidantes, digestivas e antissépticas, além de agregar valor nutricional aos alimentos", esclarece. 

Na elaboração do sal temperado foram usados vários temperos produzidos pelas agricultoras integrantes do projeto nas hortas caseiras, como salsa, sálvia, tomilho, manjericão, cúrcuma, rosmarinus, cebola, alho, alecrim, orégano, manjerona e nirá (uma iguaria da culinária japonesa), temperos que combinam bem com quase tudo que vai à mesa. Além dessas plantas, as agricultoras também cultivam as olerícolas consumidas pelas suas famílias, que são produzidas de forma orgânica, apenas com o uso de caldas, adubos naturais e bioinseticidas feitos com plantas que tem ação repelente, como o alho e a pimenta, estes últimos, trabalhados pela engenheira agrônoma da Emater/RS-Ascar, Marília Caleffi Paiva, em oficina e palestra realizada no mês passado.

"O uso cotidiano de temperos na alimentação, como forma de diminuir o uso do sal, auxilia na promoção da saúde, pois fornece ao nosso organismo princípios ativos que agem fortalecendo o sistema imunológico. Assim, conferindo sabor aos alimentos com a utilização de temperos, estabeleceu-se a proposta da redução do consumo de sal nas famílias das agricultoras participantes, cujo uso excessivo é bastante prejudicial à saúde, podendo ocasionar o desencadeamento de doenças cardiovasculares, renais e hipertensão arterial, entre outras", ressalta Roseli. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink