Embargo de carne pela Rússia preocupa produtores de MT

Agronegócio

Embargo de carne pela Rússia preocupa produtores de MT

“O embargo trará impactos negativos tanto para o mercado estadual como nacional"
2070 acessos
A Rússia é o principal destino de exportação de carnes suína e bovina de Mato Grosso. No primeiro quadrimestre deste ano, por exemplo, 92% (5,4 mil toneladas) das vendas externas de carne suína mato-grossense foram para o mercado russo. A suspensão temporária da importação do produto, anunciada quinta-feira (02) pelo Serviço Federal de Inspeção Veterinária e Fitossanitária da Rússia, preocupa os produtores de suínos e bovinos do estado.


“O embargo trará impactos negativos tanto para o mercado estadual como nacional, pois nos últimos anos a Rússia se tornou o principal cliente das carnes suína e bovina do país.”, afirma Rui Prado, presidente do Sistema Famato. De acordo com ele, a comercialização de carnes para os russos sempre foi delicada e esta não é a primeira vez que eles suspendem a importação. “Mais do que qualquer outro país, a Rússia sempre utiliza pretextos técnicos para barrar a comercialização brasileira de carnes”, acrescenta.

Mato Grosso possui 19 plantas frigoríficas, distribuídas em 15 municípios, que exportam carnes para a Rússia. Desse total, 15 são frigoríficos de abate de bovinos, 2 abatem suínos, 1 frigorífico de aves e 1 indústria que abate de aves e bovinos. Para se ter uma ideia da importância desse mercado para Mato Grosso, das 22,7 mil toneladas de carne suína comercializadas no exterior no ano passado, 87% (19,7 mil t) foram para a Rússia. Em 2010, o país foi o segundo que mais comprou carne bovina mato-grossense, adquirindo 25% (55,9 mil t) do volume total exportado naquele período. Os dados foram elaborados pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), com base nas informações da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).


Segundo informações da agência de notícias russa Interfax, o porta-voz do órgão para segurança alimentar no país, Alexei Alexeyenko, informou que os produtos não atendem ao padrão russo. Ele alega que a inspeção realizada este ano no Brasil revelou várias deficiências no funcionamento dos serviços de inspeção sanitária. Além de Mato Grosso, as restrições atingem o Rio Grande do Sul e o Paraná, totalizando 85 frigoríficos que serão proibidos de exportar carnes para a Rússia a partir do dia 15 de junho.

O superintendente do Imea, Otávio Celidonio, afirma que a decisão dos russos pode impactar, a médio prazo, negativamente na produção de suínos. “O embargo russo não traz boas perspectivas de renda oriunda das exportações. Além disso, os custos de produção para os produtores de suínos e bovinos estão altos e ainda existe uma perspectiva de aumento do preço do milho, com a quebra de safra, já que este é o principal insumo usado na produção de suínos”, avalia Celidonio.


Nas exportações nacionais, a Rússia ocupa o primeiro lugar no ranking nos embarques de carnes suína. De janeiro a abril deste ano, o país já importou 67,2 mil t de carne suína e 126,6 mil t de carne bovina, representando respectivamente 47% e 32% do total de exportações de carne do Brasil.

A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) é a entidade que reúne e representa os sindicatos rurais de todo o Estado. Sua estrutura administrativa também inclui o Imea e o Senar-MT (Serviço de Aprendizagem Rural de Mato Grosso). Esse conjunto de entidades forma o Sistema Famato.





Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink