Embrapa Amapá inicia pesquisas sobre mosca-da-carambola

Agronegócio

Embrapa Amapá inicia pesquisas sobre mosca-da-carambola

Ao longo de três anos serão ministradas palestras públicas sobre a mosca
Por: -Redação
8 acessos

Dez anos depois da identificação da mosca-da-carambola no município de Oiapoque (AP), o risco da praga se propagar em outros Estados será estudado no projeto Rede de Pesquisa em Apoio ao Programa de Erradicação da Mosca-da-Carambola, que a Embrapa Amapá vai coordenar nos próximos três anos.

O projeto recém-aprovado envolve especialistas de diversas unidades da Embrapa, universidades e institutos de pesquisas da região Norte e de Pernambuco, um importante pólo fruticultor do Brasil. As atividades começam em março e se entendem até 2010, quando será lançado um livro sobre moscas-das-frutas na Amazônia.

O coordenador do projeto, Ricardo Adaime, pesquisador da Embrapa Amapá, explica que ao longo dos três anos serão ministradas palestras públicas sobre a mosca-da-carambola. Como se trata de uma rede regional haverá campanhas de educação fitossanitária no Amapá, Acre, Amazonas, Maranhão, Rondônia, Roraima e Tocantins.

A sede do projeto é a Embrapa Amapá, onde serão realizados os principais trabalhos de pesquisa e transferência de tecnologia, mas também haverá atividades de pesquisa e ações preventivas à disseminação da praga nos demais Estados.

Ainda este ano iniciam os estudos bioecológicos das moscas-das-frutas na Amazônia brasileira. Ao mesmo tempo, outra equipe estará responsável pela identificação do potencial de introdução da mosca-da-carambola em outros Estados e do risco da introdução de outras espécies de Bactrocera, trabalho sob a coordenação da pesquisadora Maria Regina Vilarinho de Oliveira, da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

No próximo ano serão iniciados os estudos dos impactos sócio-econômicos da dispersão da mosca-da-carambola sobre a fruticultura brasileira, a cargo da pesquisadora da Embrapa Amapá, Milza Barreto. De 2008 a 2010 o pesquisador Luiz Alexandre Nogueira de Sá, da Embrapa Meio Ambiente, vai liderar a ação referente à testagem das moléculas químicas para o controle da mosca, além da avaliação da possível resistência ao malatiom, inseticida empregado há 10 anos no combate ao inseto. As informações são da assessoria de imprensa da Embrapa Amapá.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink