Embrapa integra rede mineira de biotecnologia

Agronegócio

Embrapa integra rede mineira de biotecnologia

O lançamento e a instalação serão realizados em solenidade de assinatura do convênio nesta sexta-feira
Por: -Redação
1 acessos

A Embrapa Milho e Sorgo de Sete Lagoas (MG) será uma das entidades a atuar como coordenadora e sede dos laboratórios centrais da Rede Mineira de Biotecnologia para o Agronegócio (RMBA), cujo lançamento e instalação serão realizados em solenidade de assinatura do convênio nesta sexta-feira (17-11), na Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais. A iniciativa, do governo de Minas, destinará recursos da ordem de R$ 3 milhões para o projeto que tem como objetivo capacitar tecnologicamente pesquisadores do Estado nas áreas de genômica funcional, genética molecular e biossegurança, dando suporte ao desenvolvimento sustentável do agronegócio mineiro.

Cinco princípios básicos irão reger a Rede Mineira de Biotecnologia: compartilhamento de laboratórios, apoio e estímulo a ações coordenadas de pesquisa nas áreas contempladas pela Rede, integração entre pesquisadores e metodologias utilizadas nos laboratórios, complementaridade com outras redes de pesquisa já apoiadas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), otimizando a capacidade de P&D, e aumento da colaboração interinstitucional e uso das modernas ferramentas da biologia na avaliação e utilização da diversidade genética dos biomas de Minas Gerais.

Segundo informações da assessoria da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a rede irá utilizar técnicas avançadas de biologia molecular, biologia celular e biossegurança. Ainda segundo a assessoria, uma das linhas prioritárias será identificar, caracterizar e proteger os genes, promotores e proteínas de interesse da agropecuária. Projetos para o desenvolvimento de plantas transgênicas com tolerância a diversos problemas, além da geração de informações sobre a segurança para uso na alimentação humana e animal e possíveis impactos ambientais causados pelos OGMs, serão desenvolvidos. As informações são da assessoria de imprensa da Embrapa.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink