Embrapa Roraima cria núcleos de pesquisa
CI
Agronegócio

Embrapa Roraima cria núcleos de pesquisa

Por:

BOA VISTA – A gestão de pesquisa e Desenvolvimento, na Embrapa Roraima, dá mais um passo à frente. A partir de agora a Unidade passa a trabalhar com núcleos temáticos. Comunidades Indígenas, Floresta & Agrofloresta, Lavoura e Produção Animal e Recursos Genéticos, são os quatro núcleos definidos e que estão em fase estruturação.

Com um portfólio de 29 projetos, os núcleos, segundo o pesquisador Haron Xaud, chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Unidade, vão trabalhar num contexto mais organizado, dando ênfase a resultados. O objetivo é consolidar trabalhos em andamento, fortalecendo projetos em rede com as demais Unidades e instituições parceiras. “Com isso – diz o pesquisador – vamos poder disponibilizar, num menor espaço de tempo, mais tecnologias e processos que possam mudar o perfil sócio-econômico do agronegócio do Estado”.

Dos quatro núcleos, apenas o de Comunidades Indígenas, a princípio, não terá ações de pesquisa. Ele trabalhará em conexão com os demais núcleos, disponibilizando tecnologias e processos, para promover o desenvolvimento sócio-econômico, a melhoria da qualidade de vida e o resgate da cidadania dos índios. O trabalho respeitará as tradições culturais e aspirações das comunidades envolvidas.

Para trabalhar diretamente com todas as ações de pesquisa, desenvolvimento, comunicação, negócios e transferência de teconologias dos núcleos temáticos, a Embrapa Roraima conta hoje com uma equipe técnica de 30 pesquisadores e sete técnicos de nível superior.

PERFIL – O estado de Roraima está situado no extremo norte do País. Mais de 60 por cento de sua área está na floresta amazônica. Com 15 municípios e 225.116 quilômetros quadrados, é o estado de menor população do Brasil. São 324.397 habitantes, de acordo com o Censo do IBGE. Boa Vista tem pouco mais de 200 mil moradores. O estado apresenta uma densidade populacional de menos de 3 habitantes para cada 2 quilômetros.

Parte da maior reserva indígena brasileira, a dos ianomâmis, com 5,6 milhões de hectares, está em Roraima. Como ainda está em processo de desenvolvimento, é o estado que dá a menor contribuição ao Produto Interno Bruto – PIB nacional, com 0,1 por cento. A economia é ancorada no setor de serviços, que responde por 80 por cento do PIB estadual. Indústria, mineração e agroindústria, respondem por 15,2 por cento, enquanto que a agropecuária tem uma participação tímida: 4,2 por cento.

Arroz, milho, mandioca, laranja e banana, são os principais produtos agrícolas de Roraima. Na pauta de exportações, a madeira é a estrela maior da constelação, respondendo por 80 por cento, segundo ainda o Almanaque Abril 2003.

Do total de 224.118 quilômetros quadrados, Roraima dispõe apenas de 12,6 por cento de áreas livres e aptas à agricultura. Desses 12,6 por cento, 918.027 hectares estão localizados em áreas de cerrado (savana), de acordo com um estudo da Embrapa, feito com base em consulta a relatórios do documento Zoneamento Ecológico-Econômico da Região Central do Estado de Roraima, feito pelo governo do Estado em 2002.

Mais informações com o pesquisador Haron Xaud

Telefone: (95) 628-4903

E-mail: sac@cpafrr.embrapa.br


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.