Encontrado algodão transgênico não autorizado na Argentina

PROBLEMA

Encontrado algodão transgênico não autorizado na Argentina

"A multiplicação, a comercialização e o plantio de sementes transgênicas não autorizadas representam uma violação ao arcabouço legal "
Por: -Leonardo Gottems
167 acessos

O Instituto Nacional de Sementes da Argentina (INASE) anunciou, no dia 21 de novembro, que detectou sementes de algodão geneticamente modificado (OGM) não autorizadas em campos localizados nas províncias de Chaco e Santa Fé. O INASE já havia coletado amostras de 28 plantas processadoras de algodão nessas províncias, além de Santiago del Estero e Salta. 

Nesse cenário, o INASE ordenou a destruição das sementes e das colheitas e aplicou multas tanto aos agricultores quanto aos comerciantes de sementes que tinham o algodão transgênico ilegal. Até o momento, o governo argentino autorizou apenas duas características para o algodão: MON-00531-6xMON-01445-2 (Bollgard e Roundup Ready) e BCS -GH002-5xACS-GH001-3. 

“Assim, a multiplicação, a comercialização e o plantio de sementes transgênicas não autorizadas representam uma violação ao arcabouço legal e um risco para o meio ambiente, a saúde humana e animal e o comércio exterior”, ressaltou o INASE em nota à imprensa.  

De acordo com o site www.eFarmNewsAr.com, é provável que a semente ilegal seja originária do Brasil, ja que o país aprovou cinco ou seis características da biotecnologia. As fontes informaram que o INASE coletou 110 amostras, mas apenas dez foram analisadas porque o instituto ficou sem gen-check. “Se apenas com dez amostras analisadas eles descobriram tudo isso, não consigo imaginar quando eles analisam as outras centenas de amostras”, disse. 

Este ano, espera-se que a área de algodão na Argentina suba para entre 400 a 450 mil hectares, de 300 mil na última temporada. A cadeia do algodão espera que as empresas divulguem novas tecnologias. A BASF e a Bayer são os principais intervenientes nas tecnologias de sementes de algodão, mas os princípios de DPI (Intellectual Property Rights) fracos desencorajam o lançamento destes novos traços. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink