Encontro debate construção do conhecimento agroecológico
CI
Agronegócio

Encontro debate construção do conhecimento agroecológico

Planapo terá um novo ciclo após 2015
Por:

Os saberes dos agricultores e agricultoras são fundamentais para a construção do conhecimento agroecológico, assim como os dos agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) e o saber científico. Com essa perspectiva, os participantes do III Encontro Nacional de Agroecologia, realizaram o seminário Construção do Conhecimento: interação entre Ater, pesquisa e ensino, no domingo (18/5), em Juazeiro (BA).

No seminário, o secretário nacional da Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário (SAF/MDA), Valter Bianchini, assinalou a articulação entre Ater e pesquisa como fundamentais para a agroecologia e salientou que o tema é ponto contemplado no Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo), lançado em 2013. O Plano foi construído de forma participativa entre governo federal, sociedade civil, organizações não governamentais de todo o País.

Bianchini afirmou que o Planapo terá um novo ciclo após 2015 e a expectativa é de continuidade de suas ações, “para que se consolide como um plano articulado e se avance na agroecologia como um modelo alternativo, fortalecendo o rural brasileiro, com a multifuncionalidade da agricultura familiar – que preserva o meio ambiente, garante a segurança alimentar e uma vida digna no campo”. O secretário da SAF/MDA é coordenador da Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica (Ciapo), responsável por articular órgãos e entidades do Poder Executivo para implementar a Política Nacional de Agroecologia.

Bianchini também apontou ações necessárias para uma caminhada para a transição para sistemas agroecológicos, entre elas: integrar Ater governamental e não governamental, compartilhar conhecimento sobre sementes crioulas e sobre agroecologia. Sobre as políticas públicas existentes para agroecologia, Bianchini apontou a meta do MDA de universalizar Assistência Técnica e Extensão Rural, até 2015, para 150 mil agricultores familiares em transição agroecológica. O secretário adiantou também que o Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015, está sendo elaborado com vistas a crédito de custeio mais sistêmico, crédito orientado para a agroecologia e com ação voltada para acesso a sementes.

O diretor de Transferência de Tecnologia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Waldyr Stumpf, representou a Embrapa no seminário. “Buscamos a convergência, o saber dos agricultores, a formação de redes para, a partir daí, construir projetos para o desenvolvimento”, disse Stumpf.

Experiências

O seminário foi organizado para aprofundar as dimensões associadas à construção e à circulação do conhecimento, que são extensão rural, pesquisa e ensino. Para isso, foram apresentadas três experiências que demonstram o saber de agricultores familiares e dos técnicos: da Rede ater Nordeste, do Polo da Borborema, na Paraíba, e da Universidade Federal dos vales do Jequitinhonha e Mucuri, em Minas Gerais.

A Rede Ater Nordeste apresentou estudos ligados a suas experiências que apontaram, por exemplo, custos de produção mais baixos quando não há dependência de insumos externos e maior estabilidade econômica das famílias quando há diversificação da produção.

A apresentação destacou ainda as feiras agroecológicas e os bancos de sementes como experiências importantes de transição agroecológica, bem como os serviços de Ater como instrumento de integração das políticas públicas para os agricultores.

ENA

O III Encontro Nacional de Agroecologia (ENA) ocorre até segunda-feira (19), em Juazeiro (BA), com a presença de mais de dois mil agricultores familiares (70% do público), povos e comunidades tradicionais e diversos segmentos da sociedade, com seminários e debates sobre benefícios, avanços e desafios da agroecologia no País.

O evento é realizado pela Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), com apoio do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), entre outras instituições do governo federal e de agências de cooperação internacional.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink